terça-feira, 12 de janeiro de 2010

"Literacia digital e emprego"

Veja abaixo artigo de Manuel Pinto, professor e pesquisador da Universidade do Minho, Portugal, sobre alfabetização digital e emprego. O texto foi publicado na Página 1 de Opinião, do diário digital Renascença.

“No século XXI, o conceito de literacia e a prática de ensinar a ler às nossas crianças deve ser alargado à literacia digital”. A afirmação é de Julius Genachowski, presidente da entidade reguladora dos media dos Estados Unidos da América, numa intervenção que fez neste final de semana, na Consumer Electronics Show, em Las Vegas.

Esta ideia programática, que hoje começa a ser percebida como estratégica para o desenvolvimento das sociedades contemporâneas e para a cidadania, não se pode dizer que seja em si mesma muito inovadora, ainda que vá uma grande distância entre defendê-la epô-la em prática.

Quando falamos em literacia digital, a nossa mente e o nosso olhar voltam-se de imediato para a escola e para os professores. Achamos que este tipo de coisas é matéria de currículo, demétodos de ensino e de aprendizagem, de educação, em suma. Mas: e se fosse também matéria de emprego, de produtividade, de economia, de bem-estar e qualidade de vida?

Na intervenção referida, Genachowski acrescentou algumas notas que apontam precisamentenesse sentido e que talvez possam (ou devessem) fazer os empresários e os responsáveis pelas políticas sociais pensar um pouco. Aludindo ao plano de universalização do acesso à banda larga, o presidente da Federal Communications Commission observou que “quanto maior for o acesso à Internet, mais oportunidade haverá de encontrar emprego, visto que a maior parte da oferta requer competências digitais básicas”. Daí que, segundo ele, sendo compreensível que os pais exprimam preocupações várias acerca da segurança dos filhos online, “o risco maior é o das crianças que não têm computadores, não tendo assim possibilidade de complementar a sua formação com a pesquisa na Internet”. E com a análise crítica das fontes que encontram,com a capacidade de gerir a informação encontrada e de produzir informação e sínteses novas – acrescento eu.

Entendo que esta alfabetização relativa às novas linguagens e às redes digitais não pode nem deve contrapor-se nem sequer sobrepor-se às restantes literacias, em particular a uma adequada aprendizagem da leitura, da escrita e do cálculo.

O que talvez falte compreender é que as aprendizagens que a cidadania e o emprego cada vezmais supõem não se somam umas às outras. Combinam-se e jogam umas com as outras.

Manuel Pinto
Professor da Universidade do Minho

Nenhum comentário:

Postar um comentário