quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Outros olhares, outras vozes

Você provavelmente tem visto a cobertura da ocupação policial no Complexo do Alemão, no Rio, pela grande mídia, certo? Que tal mudar um pouco o foco e ver/ouvir o que a própria comunidade tem a dizer? A turma do jornal Voz da Comunidade, da qual já falamos aqui no blog, está divulgando informações via twitter (@vozdacomunidade) e conversando até com a secretária de Educação do Rio para falar sobre aulas e situações das escolas.

A cobertura tem rendido um boom no twitter e também despertado olhares curiosos no Brasil e no mundo. Compartilhamos abaixo texto do blog Educomunicação e do Jornal de Notícias, ambos de Portugal, sobre a cobertura dos jovens. Também texto publicado no jornal O Globo, do Rio. Eles também estarão no programa Sem Censura, de Lêda Nagle, e temos certeza, em muitos outros que ainda virão.

O coordenador do do jornal VOZ DA COMUNIDADE, que é distribuído no Complexo do Alemão, é René Silva. Ele começou a gostar de jornal ainda na escola, quando criou um jornal escolar. Depois, resolveu criar um jonal que servisse à comunicade. E teve apoio da diretora da escola. Ficou interessaado? O e-mail do jornal é: contato@vozdacomunidade.com

Rene Silva, jovem do morador do Morro do Adeus, twittou em tempo real a invasão da polícia ao Complexo do Alemão
O Globo

Desde sábado, três jovens moradores do Morro do Adeus fizeram uma cobertura em tempo real pelo Twitter sobre o cerco e a invasão da polícia ao Complexo do Alemão. Liderada por Rene Silva, de 17 anos, a equipe do jornal Voz da Comunidade twittava informações a partir do perfil @vozdacomunidade, @Rene_Silva_RJ, @IgorComunidade e @JackComunidade. O Twitter do jornal local passou de 180 seguidores no sábado para mais de 20 mil ontem, e a expressão #vozdacomunidade chegou ao Trending Topics Brasil, lista de tópicos mais twitados no país).

- Dormi pouco de sábado para domingo. Nós três ficamos twittando de nossas casas, cada um de acordo com o que via de sua janela - contou Rene pelo telefone.

Além dele, Igor Santos, de 15 anos, e Jackson Alves, de 13, postam informações em tempo real pelo Twitter. Às 6h50m de ontem, o perfil @vozdacomunidade twittou "Intenso tiroteio neste momento no complexo do alemão gente!!!!". Por volta das 7h30m, @IgorComunidade postou "os traficantes jogaram uma granada nos policiais!!! tenso". Às 8h30m, novo tweet: "Um carro de bombeiro acabou de chegar próximo a rua Joaquim de Queiroz, na grota!!!".

Os três rapazes também esclareciam dúvidas de outros twitteiros, como "Essas imagens q estão aparecendo da JOAQUIM DE QUEIROZ q parece uma certa destruição não é por causa de tiros e etc. são as obras do PAC!" e respondendo que não havia moradores feitos reféns por bandidos. O $está sendo acompanhado inclusive por moradores de fora do país como @adrimetz, que postou: "To aqui da Noruega acompanhando através do #vozdacomunidade, coração apertado estudei anos na Penha e conheço bem o Complexo".

Estudante e morador do Morro do Adeus, no Complexo do Alemão, Rene é repórter, fotógrafo, redator, editor e colunista do Voz da comunidade, jornal que criou há cinco anos para denunciar os problemas da sua região. O sucesso do periódico fez com que ele conseguisse o patrocínio de uma operadora de celular, que lhe deu um iPhone, aparelho que também usa para twittar e fazer fotos e vídeos.

' Espero agora não ouvir mais disparos de tiros'
"Comecei postando do meu Twitter pessoal, e meus seguidores falaram que era melhor twittar do perfil do jornal, que representava melhor a comunidade. Comecei a escrever em tempo real o que estava acontecendo ao meio-dia de sábado e fiquei até 2h da manhã de ontem. Fui deitar, mas, se ouvia um cada disparo, me levantava para twittar. Não imaginava que ia causar tanta repercussão, mas acho que foi porque estávamos twittando de dentro da comunidade, mostrando uma visão que ninguém ti$. Às vezes, a gente até corrigia algumas informações dadas na tevê, como as áreas que os helicópteros estavam sobrevoando, porque conhecemos melhor a comunidade. Também tivemos a divulgação de nosso Twitter por várias pessoas famosas como a Fernanda Paes Leme, a Gloria Perez e até o Marcelo Tas. Não senti medo, pois já estou acostumado. Mas espero agora descansar, não ouvir mais disparos de tiros e que haja mudanças". (Rene Silva é estudante)


Crianças, televisão e telejornais
Blog Educomunicação - Manuel Pinto

Os acontecimentos da última semana, em favelas do Rio de Janeiro, que culminaram ontem com o 'assalto' policial no Complexo do Alemão suscitam muitas reflexões, em particular sobre o papel dos media. Duas em especial gostaria aqui de salientar: o papel que teve, no dia de ontem, a cobertura feita a partir de dentro da favela cercada e espiolhada pelos agentes de segurança por parte de um grupo de adolescentes, ligados ao jornal "Voz da comunidade" e o impacte das notícias nos serviços noticiosos da televisão.

No primeiro caso, vale a pena rever a conta do Twitter www.twitter.com/#vozdacomunidade e rever os vídeos que, a partir de telemóveis foram feitos e emitidos via site Justin.tv. O que foi a experiência de miúdos a fazerem e a terem a consciência de fazer aquilo que os grandes e poderosos meios de comunicação não eram capazes de fazer e serem seguidos em diversas partes do mundo (a conta do Twitter passou, num instante, para mais de 20 mil seguidores). Quem acompanhou os acontecimentos pelo Twitter, pôde verificar a repercussão desta iniciativa.

Quanto ao impacto das notícias e imagens destes acontecimentos nos telejornais, refiro apenas o oportuno sinal dado pelo site revistapontocom, aqui. Ele remete-nos para o texto de uma equipa de investigadores, também do Rio de Janeiro - "Crianças, televisão e telejornais", que estudaram esta matéria, olhando-a do lado das crianças. Vale a pena dar uma olhada.

Adolescentes do Complexo do Alemão vencem batalha das notícias no Twitter
29/11/2010
Alfredo Leite - Jornal de Notícias

O exército que invadiu o Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, foi acompanhado na subida ao morro por um igualmente numeroso batalhão de repórteres seniores demasiado habituados à violência da cidade maravilhosa. Tem sido, no entanto, um grupo de "jornalistas" menores de idade que, a partir do interior da favela, tem conseguido parte dos exclusivos informativos que revela ao Mundo pelo Twitter.

São "repórteres" do jornal Voz da Comunidade, um projecto jornalístico da autoria do adolescente René Silva, de 17 anos, desenvolvido no Complexo do Alemão para servir a população.

Mas o que começou por ser um projecto local, de denúncia de pequenos problemas da vida da comunidade, transformou-se, nos últimos dias, numa séria fonte de informação para os principais meios de comunicação do Brasil.

A história de René
Falando ao JN via Skype a partir do Complexo do Alemão, René Silva afirma que "a ideia é informar sem denunciar". Tarefa que os três redactores (o mais novo com 10 anos) levam muito a sério e que as redes sociais reconhecem. De 180 seguidores no Twitter no início da passada semana, @vozdacomunidade atingiu ao final da tarde de ontem os 20 mil seguidores na rede. René Silva passou parte do domingo a ser entrevistado pelas principais televisões do Brasil, mas nem por isso se considera uma estrela.

"Continuo apenas a ser um comunicador dentro da comunidade e, se isso servir para ter mais sucesso nas nossas outras campanhas, ainda bem", disse ao JN. É que, além da edição do jornal, René organiza a recolha de "cestas básicas" de alimentos para entrega às famílias mais necessitadas do "Alemão". Tarefa que quer continuar a cumprir a par do sonho de ir para a faculdade estudar jornalismo.

Quem conhecer mais o René? Ver como ele começou a se envolver com jornal? Dá uma olhada no vídeo abaixo:

Nenhum comentário:

Postar um comentário