sexta-feira, 30 de abril de 2010

Vídeo-Escola

Trouxe para os leitores do blog uma experiência muito bacana feita pelo pessoal do Instituto Gens em Sorocaba (SP), entre 2001 e 2004, em toda a rede pública de Ensino Fundamental (33 escolas). O Projeto Vídeo-Escola integrava o Programa de Educomunicação de Sorocaba, implantado pela Secretaria de Educação e Cultura da Prefeitura.


A ideia de trazer esse projeto para o blog é estimular nossa reflexão e estímulo para que possamos lutar por políticas públicas que possam proporcionar esse tipo de ação nas escolas brasileiras.

Segundo o site do projeto sua implantação consistiu de ações pedagógicas e técnicas voltadas à formação de professores, estudantes e comunidade escolar, visando ao domínio da tecnologia e da linguagem audiovisual.


A partir dessas ações, alunos e professores aprenderam a produzir suas próprias mensagens audiovisuais em forma de animação, documentário, ficção ou experimental. As produções foram exibidas para toda a comunidade escolar nas escolas e em Mostras anuais, realizadas pela Prefeitura, para a sociedade local e pesquisadores brasileiros da área da Educomunicação.

Quais eram os objetivos do projeto?


O pessoal do Gens esperava que os participantes:
• Entendesse o processo de produção de mensagem audiovisual
• Dominassem a gramática da linguagem audiovisual
• Introduzissem a tecnologia do vídeo digital no espaço escolar
• Passassem de consumidores de informação a produtores de comunicação
• Expressassem o que sentiam e pensavam através das imagens e sons que produzirem
• Aceitassem a própria imagem e dos companheiros, nem sempre parecida com a dos padrões de beleza valorizados pela TV e pelo cinema.
• Percebessem a importância do trabalho em grupo
• Compreendessem o poder de um meio de comunicação social para o fortalecimento da comunidade local
• Reconhecessem a comunicação social como uma das formas mais rápidas e eficientes de integrar as pessoas em torno de questões ligadas ao lugar onde moram

Os responsáveis pelo projeto eram Donizete Soares e Grácia Lopes Lima.


Quer conhecer mais sobre o projeto? Clique aqui e aproveite para acessar todo material pedagógico, ver as fotos da garotada, das etapas do projeto e seu escopo.

"Amistades peligrosas"

Recebi o texto abaixo de um amigo do trabalho, e quis compartilhar com todos no blog.
O texto é da blogueira cubana Yoani Sánchez. Espero que gostem, e que as palavras aqui sejam geradoras de reflexões em cada um.


Había reparado todo tipo de libros, desde Biblias hasta incunables con hojas a punto de convertirse en polvo. Era muy bueno devolviendo a su lugar las páginas arrancadas, en reparar las cubiertas y rociarlas con una solución química que les resaltaba la tinta. Por sus manos habían pasado manuscritos del siglo diecinueve, primeras ediciones de las obras de José Martí y hasta un par de ejemplares de la Constitución de 1940. A todos les devolvió la elegancia que una vez tuvieron y al recuperarlos los leía, como el médico que quiere asomarse al alma de un paciente del que ya conoce muy bien las vísceras.
Sin embargo, nunca había visto un libro como el que le trajeron esa tarde de finales de los años ochenta. Por su tamaño y grosor parecía el recetario de un dispensario farmacéutico, pero no contenía fórmulas químicas o nombres de medicamentos, sino que estaba lleno de delaciones. Era el inventario minucioso de todos los informes que los empleados de una empresa habían hecho contra sus colegas de trabajo. Sin percatarse de su indiscreción, la secretaria del director mandó a repararle –al repertorio de denuncias– la cubierta raída y varios pliegos que se habían despegado. Fue entonces cuando llegó a manos del bibliotecario pertinaz aquel invaluable testimonio, en papel, de las traiciones.
Como en la trama de Amistades peligrosas, en una parte se podía leer que Alberto, el jefe de personal, había sido acusado de llevarse materia prima para su casa. Pocas páginas después, era el propio delatado quien contaba las expresiones “contrarrevolucionarias” que la auxiliar de limpieza había usado en el comedor. Los soplos se entrecruzaban e iban tejiendo un cuadro real y abominable donde todos espiaban a todos. Maricusa la contadora –según testimoniaba su compañera de oficina– vendía cigarros al menudeo desde el buró, pero cuando no estaba en esa labor ilegal se dedicaba a notificar que la administradora se iba una hora antes del cierre. El mecánico aparecía varias veces mencionado por tener relaciones extramatrimoniales con la del sindicato y porque varios reportes contra la cocinera estaban firmados de su puño y letra.
Al concluir la lectura, sólo se podía sentir una pena enorme por esos “personajes” obligados a interpretar una trama siniestra y desleal. Así que el restaurador devolvió el libro a la carrera, después de hacer el peor trabajo que sus manos habían ejecutado. Aún hoy, no puede dejar de pensar en los nombres, informes y acusaciones que aquellas páginas han seguido acumulando todos estos años.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

"O mundo que perdemos"

De autoria de Tony Judt, historiador britânico e professor da Universidade de Nova Iorque, o trecho abaixo faz parte de um ensaio sobre o esquecimento nas sociedades modernas, em particular sobre o esquartejamento do passado, que serve de introdução a um dos seus mais recentes livros.

"A expansão da comunicação, em conjunto com a fragmentação da informação, oferece um contraste significativo mesmo em relação a comunidades de um passado recente. Até às últimas décadas do século XX, a maior parte das pessoas tinha um acesso limitado a informação, mas dentro de um certo Estado ou nação ou comunidade era provável que todas elas partilhassem o mesmo conhecimento, graças à educação nacional, às rádios e televisões públicas e a uma cultura comum de imprensa. Actualmente aplica-se o oposto.

A maior parte das pessoas fora da África subsaariana tem acesso a informação quase infinita. Contudo, na ausência de uma cultura comum para além de uma pequena elite (e por vezes nem mesmo aí), a informação específica e as ideias que as pessoas escolhem ou encontram são determinadas por uma multiplicidade de gostos, afinidades e interesses. À medida que os anos passam, cada um de nós tem menos em comum com os mundos rapidamente multiplicáveis dos nossos contemporâneos, para não falar do mundo dos nossos antepassados."

Tony Judt, Reappraisals: Reflections on the Forgotten Twentieth Century, Vintage Books, 2008.

Fonte: Educomunicação/TiagoDF

Para refletir

"Aqueles que não entendem o modo como os media operam, como constroem significados, como podem ser utilizados e como aquilo que apresentam como evidente pode ser questionado e avaliado, esses encontram-se, nas culturas dos nossos dias, em considerável desvantagem". Len Masterman

Dia da Educação

Hoje, 28 de Abril, é o Dia da Educação. A data é comemorada desde abril de 2000, quando foi assinado o documento “O Marco de Ação de Dakar”, durante a reunião da Cúpula Mundial de Educação, em Dakar – Senegal. No encontro, diversos países, entre eles o Brasil, assumiram o compromisso de alcançar os objetivos e as metas de Educação Para Todos (EPT) para cada cidadão e cada sociedade.

Em 2010 será elaborado um novo Plano Nacional de Educação, que irá nortear as políticas educacionais entre 2011 e 2020.

O que você tem feito pela educação? Reflita e assuma a bandeira de uma educação de qualidade para o Brasil!

Fonte: Informações do Todos pela Educação

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Conferência Internacional

Quem quiser acompanhar a Conferência Internacional O Impacto das TICS na Educação, promovida pela UNESCO e MEC, pode acessar o link www.iptvcultura.com.br/ticeducacao
A conferência acontece nos dias 27 e 28 de abril, no auditório da OAB, em Brasília. Abaixo informações do site da conferência.

Contexto

Os investimentos em Tecnologia e Comunicação voltados para Projetos Educacionais estão aumentando nos países da América Latina e do Caribe. Países estão investindo milhões de dólares por ano somente em equipamentos.

É essencial discutir dentro desse panorama o impacto das Tecnologias da Informação e Comunicação na aprendizagem dos estudantes da educação básica. Isto é, pretende-se focalizar a educação que está disponível para todos os estudantes e como estão sendo definidos os currículos obrigatórios de cada país. É de suma importância ressaltar que os resultados educacionais obtidos pelos países da America Latina e que foram avaliados e mensurados internacionalmente pela UNESCO, LLECE, TIMSS e PISA não consideram, de forma específica, a intensidade do impacto e potencial das TICs nos processos de educação e aprendizagem.

Também é fundamental discutir e desenvolver medidas de avaliação, ferramentas e práticas institucionais para que se tenha acesso ao impacto das TICs na aprendizagem, tanto auxiliando na formulação de políticas como na tomada de decisões relacionadas ao compartilhamento do uso das TICs nas salas de aula. Além disso, faz-se importante estimular as pesquisas que auxiliam na identificação de “histórias de sucesso” e gerar conhecimento e modelos que possam mobilizar agendas políticas derivadas dessas medidas.

Além do tema do impacto ao acesso as TICs, um segundo ponto crítico é o uso das TICs como uma prática padrão na profissão dos educadores. O assunto relaciona-se à inclusão de Tecnologias da Informação e Comunicação na formação inicial e continuada dos educadores.

No momento, os investimentos e o uso das TICs na formação inicial de professores devem estar de acordo com o fato de que o uso de tais tecnologias já é uma prática utilizada pela maioria dos jovens do mundo.

Há décadas que a inserção de computadores no sistema escolar tem sido vista como um programa de treinamento automatizado que enfatiza somente o uso de laboratórios como parte separada de outras atividades lecionadas. Atualmente, os princípios e as práticas de inclusão das TICs têm sido trabalhados pelos docentes como ferramentas no ensino e aprendizagem dentro das salas de aulas.

Entretanto, as discussões sobre essas tecnologias como parte do processo de aprofundamento nas mudanças da sociedade e seus impactos educacionais ainda não têm recebido a devida atenção. Por exemplo, muitos estudantes tornaram-se “cidadãos digitais” enquanto a formação de educadores e as práticas nas salas de aula, em todos os níveis educacionais, permanecem no século XX.

O tema do uso e do impacto das TICs na Educação está diretamente ligado a consecução das iniciativas e metas da Educação para Todos. Em particular, a meta mais complexa a se atingir nos países: é fornecer uma educação de qualidade para todos e um aprendizado permanente.

Terça-feira, 27 de abril

  • 8:30 - 09:00 - Credenciamento
  • 09:00 - 10:00 - Cerimônia de Abertura

Vincent Defourny, Representante da UNESCO no Brasil; Jorge Sequeira , Representante da UNESCO Santiago; Carlos Bielshowsky, Secretário de Educação à Distância, Ministério da Educação do Brasil; Ophir Filgueiras Cavalcante Júnior, Presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

  • 10:00- 11:00 - Conferência de Abertura

Carlos Bielshowsky, Secretário de Educação à Distância, Ministério da Educação Brasil.
Moderador: Vincent Defourny, UNESCO Brasil

  • 11:00 - 11:30 - Break
  • 11:30 - 12:00 - Apresentação: TICs em Educação na América Latina e no Caribe.

Palestrante: Daniela Trucco , CEPAL

  • 12: 00 – 13:00 – Primeiro Estudo: TICs na formação inicial e continuada de docentes.

Palestrante: Maria Inês Bastos , consultora da UNESCO
Questões, comentários e conclusões
Moderadora: Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida , PUC-SP

  • 13:00 - 14:30 - Break
  • 14:30 – 16:30 - Painel: Questões principais na formação inicial e continuada de professores em TICs.

Palestrantes: Tarek Shawki – UNESCO Cairo (a confirmar); Antonio Rodríguez de las Heras, Universidade Carlos III de Madrid; Dr. Hugo Nervi Haltenholf, Decano Facultad de Educación, UDLA, Chile; Mario Avendaño Arguedas , Instituto de Desenvolvimento Profissional Uladislao Gámez Solano, Ministério da Educação da Costa Rica.
Moderador: Fernando Almeida, Fundação Padre Anchieta.

  • 16:30 – 17:00 - Break
  • 17: 00 – 17:30 - Apresentação do software “Programador Curricular para a Liderança Pedagógica” desenvolvido pela OREALC/UNESCO, com apoio da Microsoft. (Apresentação de uma experiência desenvolvida no Chile).
  • 17:30 - 18:00 - Debates e Conclusões do dia 1

Moderador: Guilherme Canela , UNESCO Brasilia

  • 18:00 - Coquetel de abertura - OAB

Quarta-feira, 28 de abril

  • 9:00 - 10:30 - Segundo Estudo: Avaliando o impacto das TICs na qualidade da educação.

Palestrantes: Miguel Nussbaum e Patricio Rodriguez , Consultores UNESCO/OREALC
Questões, Comentários e Conclusões
Moderator: Raúl Luna Lombardi, Instituto de Tecnologias Educativas (ITE)

  • 10:30 - 11:00 - Break
  • 11:00 - 13:00 - Painel: Status e perspectivas da avaliação do impacto das TICs nas escolas na América Latina.

Palestrantes: Paulina Araneda, consultora, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID); Daniela Trucco , CEPAL; Ana Laura Martínez , Plan Ceibal, Uruguai; Ricardo Menezes , Dell Computadores; Maria Langworthy , pesquisadora e consultora da Microsoft.
Moderadora: Rosa Viccari , UFRGS

  • 13:00 – 14:30 - Break
  • 14:30 - 17:00 - Painel: Temas centrais relacionados ao avanço da avaliação de impactos das TICs na educação.

Palestrantes: Claude Akpabie , Instituto de Estatísticas da UNESCO; Katerina Ananiadou, OCDE; Alexandre Barbosa, Comitê Gestor da Internet, Brasil; Representante da União Européia; Rogério de Paula Barbosa , Escritório da UNESCO em Brasília.
Moderadora: Leila Rentroia Iannone, Consultora UNESCO

  • 17:00 - 17:15 – Break
  • 17:15 – 18:15 - Debates e Conclusões do dia 1

Moderadores: Alfredo Rojas ORELC/UNESCO; Guilherme Canela , UNESCO Brasilia.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Eventos imperdíveis

Abaixo, compartilhamos alguns eventos que devem gerar bons debates e produções. Quem não puder estar presente, vale a pena seguir as notícias pelos sites.

Congresso Internacional Alfabetização Mediática e Culturas Digitais
Dias 13 e 14 de Maio
Sevilla/Espanha
congresoculturadigital.wordpress.com

Congresso Internacional de Educação
Dia 27 a 29 de Maio
Ponta Grossa/Paraná (Brasil)
www.isapg.com.br/2010/ciepg

V Seminário Nacional O Professor e a Leitura de Jornal: Mídia, Educação e Formação Docente
Dias 14 a 16 de Julho
UNICAMP
Campinas/ São Paulo (Brasil)
www.anj.org.br/jornaleeducacao e http://www.alb.com.br/portal/5seminario/index.html


Media Literacy Conference
Dias 19 e 20 de Novembro
Londres/Inglaterra
http://mlc2010.org.uk/index.php

Ler está na moda!

Criativo vídeo para divulgar um dispositivo ultramoderno chamado book !!! : )

Mãe Digital

A jornalista Vanessa Cabral dizia que nunca faria um blog, exceto se um dia tivesse algo realmente importante para contar. No início deste ano, ela encontrou um bom motivo para mergulhar nessa empreitada e conseguiu inovar o congestionado universo da blogosfera. Não há registro, pelo menos no Brasil, de que alguém tenha criado uma página na internet para acompanhar o cotidiano de seus filhos numa escola pública.

Irritada com o valor das mensalidades dos colégios particulares (de R$ 900 a R$ 1.500) e crítica em relação aos métodos pedagógicos, ela tomou coragem e matriculou seus dois filhos, Ian e Arthur, na escola pública (Brigadeiro Faria Lima) mais próxima de sua casa (em Perdizes). "Senti que, finalmente, tinha encontrado algo, de fato, interessante para escrever.

"Ocorreu, porém, que algumas pessoas passaram a perguntar a Vanessa se ela tinha algum problema psicológico. "Quando contei ao meu grupo de meditação que meus filhos estavam estudando numa escola pública, vi olhos arregalados como se eu tivesse blasfemado."No dia seguinte, recebeu e-mails, todos demonstrando preocupação. Num deles, uma amiga contou que sonhara que os meninos estavam correndo perigo.

A decisão de Vanessa, entretanto, foi cercada de cautela.Além de visitar por várias vezes a escola, conversou com a direção, com a coordenação e com professores. "Senti confiança." Viu que estavam criando ações extracurriculares e que se mostravam abertos à participação dos pais. Resolveu, então, participar do conselho da escola para poder influir na gestão.

Rapidamente, ela sentiu vontade de relatar sua experiência. Descobriu um jeito de unir seu projeto educativo ao seu projeto jornalístico, dando uma dimensão digital à maternidade.Para acompanhar melhor os filhos, teve de mudar sua vida profissional. Acertou um horário mais flexível na Redação em que trabalha (da revista "Poder", editada por Joyce Pascowitch).

Até agora, seu blog tem sido favorável à escola. Ela vem mostrando que há aspectos positivos apesar das dificuldades. Num dos textos, mostrou-se satisfeita ao ver um dos filhos fazer um projeto com base no quadro "Guernica", de Picasso.

Seus textos não só ajudam a desmontar preconceitos como também, ao mesmo tempo, mostram que a entrada da classe média nas escolas públicas pode melhorar a fiscalização dessas instituições.

Um dos projetos de Vanessa é que o blog seja um fórum de discussão que atraia as outras mães e pais de alunos da escola, mas, por enquanto, os leitores são seus amigos e conhecidos, cujos filhos estão em escolas particulares.

Fonte: Gilberto Dimesntein/ Portal Aprendiz

Mídia e Educação - uma parceria que dá certo

Já nas livrarias o livro Ensino-Aprendizagem e Educação, da WAk Editora. A publicação é organizada por Wendel Freire e Mary Rangel e conta com a participção dos autores Edméia Santos, Marcos Silva, Monica Rabello, Robson Cavalcanti, Cláudia Pinheiro e Cristiane Parente (a que vos escreve neste blog), que mostram, por meio de artigos, experiência de sucesso e reflexões acerca da relação tics, mídia e educação.

O leitor poderá encontrar textos sobre o uso da televisão e do vídeo na educação, informática na educação antes e depois da web 2.0, jornal como instrumento de intervenções pedagógicas de letramento e alfabetização, educação junto com os meios de comunicação, inclusão digital e comunicação e expressão na arte de ensinar.

Young people: generation disconnected?

Para quem estuda o tema mídia e jovens leitores, foi lançado o livro "Televisions News, Politics and Young People: Generation Disconnected?", de Mike Wayne, Julian Petley, Craig Murray, Lesley Henderson, editado pela Palgrave.

A aprensentação do livro é a seguinte: "Why are young people alienated from television news? This book argues that contemporary trends indicating deepening disconnection from news about public life reflect problems both with the way television news covers politics - which is the single biggest item on the news - and with the nature of politics itself under neoliberal capitalism.

The authors explore the representation of young people and politics on television news and suggest that there are links between these representations and the reason why young people are turned off news programming. They ask both broadcasters and young people what they think can be done to address this issue, and examine the way that young people consume news. The book concludes that the problem is deep-rooted and requires profound changes both in our political culture and in the culture of television news".

Esperamos em breve conseguir o livro para colocar nossas observações!

Educação para os Media: conhecer para progredir

Compartilhando notícia divulgada no Educomunicação, de Portugal:

Estamos num momento de ténue (mas visível) despertar para a relevância cultural, cívica e educativa da educação para os media. Mas conhecemos mal a nossa própria realidade. E, sem esse conhecimento, é difícil avançar nas tarefas a que importa deitar mãos, para inscrever esta dimensão na agenda pública das questões relevantes.

Ora, para isso e por causa disso, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social ERC) - a quem cabe velar pelo cumprimento da legislação nacional e comunitária com implicações nesse âmbito - solicitou ao Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho que, até Março de 2011, desenvolva um estudo a que foi dado o título "Educação para os Media em Portugal: Experiências, Actores e Contextos". É nesse estudo que boa parte da equipa deste blog está comprometida. E é também por isso que decidiu promover a participação dos leitores portugueses, para que nos façam chegar notícia de iniciativas e projectos em que estejam envolvidos ou de que tenham conhecimento.

O estudo em curso tem a sua própria metodologia, que passa pelo inventário e análise de uma vasta gama de documentos e pela entrevista e visita ao terreno de diversos projectos e programas no âmbito da educação para os media. Mas estamos conscientes de que, sendo a nossa realidade ainda pobre, é, no entanto, mais rica do que aquilo que conhecemos.

O referido estudo articula-se com outras iniciativas que estão em preparação e de que contamos brevemente dar notícia. Elas decorrem de uma dinâmica de encontros que várias instituições de âmbito nacional têm vindo a realizar, no quadro de um grupo informal, que tem em comum a preocupação a educação para os media (literacia mediática e digital). Nesse grupo informal encontra-se o Gabinete para os Meios de Comunicação Social, a Comissão Nacional da UNESCO, o Conselho Nacional da Educação, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, o Ministério da Educação, a UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento e a Universidade do Minho.

Um primeiro sinal da actividade deste grupo foi dado na passada semana, num encontro realizado em Lisboa, na sede do Conselho Nacional de Educação, no qual um vasto conjunto de personalidades envolvidas em projectos e iniciativas nesta matéria, tiveram oportunidade de dar conta daquilo que que fazem e de se manifestar sobre iniciativas que estão em fase de preparação.

Fica, por conseguinte, aqui reiterado o convite à participação, através de notícia de actividades e iniciativas - mais continuadas ou mais pontuais, de grande vulto ou humildes, já realizadas ou em preparação - que conheçam ou em que estejam envolvidos. Esse contributo será fundamental para uma melhor percepção do ponto onde estamos e para a criação de uma rede de informação e de participação.

Fonte: Manuel Pinto/ Educomunicação

terça-feira, 20 de abril de 2010

Todo Dia é Dia do Livro !


Sábado na livraria é uma homenagem da editora Cosac Naify a este lugar tão familiar a nós e aos amantes da literatura. O lançamento convida os leitores a uma prática muito prazerosa: visitar a loja sem pressa, descobrir tesouros escondidos nas prateleiras, mergulhar na leitura de um título, mesmo sem comprá-lo.

Na quarta capa, Bernardo Ajzenberg, escritor e dono do Sebo Avalovara, em São Paulo, define: “livraria é como parque de diversões: encanta e gera encontros. Ou como cinema: incrível variedade de temas, magia das surpresas”.

Tematizando a livraria como local de convívio e transformação, Sylvie Neeman conta a história de uma menina que cultiva o hábito de ir à livraria e se perder em meio aos livros. Assim como ela, um senhor é frequentador assíduo do lugar. Mas, enquanto a garota devora e dá risada com os quadrinhos, o velho se debruça, emocionado, sobre um enorme livro de guerra.

As ilustrações a óleo do premiado Olivier Tallec revelam essa atmosfera onírica da livraria, misturando às prateleiras cenas dos livros lidos pelos personagens. Juntos, escritora e ilustrador nos conduzem por um percurso misterioso e inesperado ao longo desses sábados na livraria. (Texto da Editora Cosac Naify)

Detalhe: A tradução do título original é Quarta-Feira na Livraria, pois na Suíça Mercredi é o dia Off que as crianças têm. Interessante a tradução considerar o contexto brasileiro.

Fonte: Nelida Capela

domingo, 18 de abril de 2010

Boletim Educomunicador 55

Confira o Boletim Educomunicador, nº 55, do Núcleo de Comunicação e Educação da USP.

Chamada para artigos

A revista The Journal of Media Literacy Education (JMLE) está recebendo até 1º de junho a submissão de artigos para uma edição especial sobre a relação entre media Literacy e aprendizagem.

A JMLE privilegia os artigos que reflitam sobre temas como:

- a estrutura da literacia mediática, práticas formais e críticas de leitura de textos, entre as novas formas de participação e envolvimento nos diversos ambientes sociais;

- o alegado silêncio de alguns mass media relativamente às discussões sobre os media digitais e a sua aprendizagem;

- até que ponto o manuseamento das ferramentas digitais pode contribuir para uma 'armadilha técnica';

- como é que as mensagens sobre a literacia mediática e os valores dos media digitais são recebidas pelos jornalistas, políticos, professores, pais, crianças.

O Journal of Media Literacy Education é uma revista interdisciplinar com peer-review que apoia o desenvolvimento da investigação, ensino e métodos pedagógicos relacionados com a literacia mediática. A revista proporciona um fórum de debate entre académicos, investigadores, profissionais dos media e das escolas.

Para mais informações, aqui.

Fonte: Fábio Ribeiro/Educomunicação

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Bordados - Como ser uma mulher no Irã

Como ser mulher em um mundo onde apenas os homens podem tudo e a elas é reservado – unicamente – o papel de obedecer: ao pai, aos irmãos, ao marido, aos anciãos? Como resistir a uma cultura onde meninas de 13 anos são dadas como esposas a homens de 69 anos? Como sobreviver à opressão de um machismo perverso?

A quadrinista iraniana Marjane Satrapi tornou-se a mais importante porta-voz das mulheres do oriente a partir da publicação do seu primeiro livro “Persépolis” (vídeo). Através das suas memórias pessoais e da família, a autora relembra a história recente do Irã dos aiatolás: a queda do Xá (que governava o país com uma tendência “europeizante”), a ascenção dos radicais religiosos, o fim do liberalismo cultural... O livro, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares, teve uma versão para cinema que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2008.



Depois de Persépolis, Marjane repetiu a mesma fórmula com “Frango com ameixas” que conta a história do tio músico, que não consegue se adaptar ao radicalismo religioso. E agora lança no Brasil, pela Companhia das Letras, o seu terceiro livro: “Bordados”.

O romance gráfico investiga as lembranças e traumas das mulheres da família Satrapi e de suas amigas mais próximas. Em volta do samovar (uma peça tradicional no Irã, onde é servido o chá), oito mulheres se reúnem para contar suas histórias de dor, medo, humilhação e superação. Com um humor sutil e seu traço ingênuo (quase infantil), Marjane nos mostra como as mulheres iranianas conseguem tornar-se donas dos seus próprios destinos. Apesar de tudo, elas conseguem amar. Driblam a opressão de seus maridos, fazem cirurgias plásticas, traem, riem e fazem graça com sua própria condição. A autora faz um libelo feminista, sem cair no discurso panfletário.

Fonte: Blog Nona Arte/ Texto: Carlos Ely

Media Literay Code

O guia tem 24 páginas e foi produzido pelo Center for Social Media (http://www.centerforsocialmedia.org/)
Boa leitura!!!

Nas Escolas - Iniciativa do Diário de Notícias para adolescentes

Notícia postada pelo professor português Manuel Pinto:

Está a decorrer o
N@ESCOLAS, mais uma edição do projecto de marketing do Diário de Notícias dirigido às escolas secundárias e profissionais de todo o país.Os alunos e professores começam por se inscrever individualmente, ficando o DN com a base de dados assim criada. Numa segunda etapa, inscrevem-se professores e grupos de 3 a 5 alunos.

A cada grupo cabe elaborar uma nota biográfica de personagem à sua escolha, sendo que as mais criativas verão a respectiva escola ser contemplada com um "Dia DN", de facto, um road show que envolve figuras públicas e que está, neste momento, prestes a ter início. As equipas das escolas visitadas deverão, posteriormente, elaborar e enviar uma reportagem do dia, sendo escolhidas três para irem a uma final, prevista para o início de Junho próximo e que consiste numa entrevista feita pelos alunos a um conjunto de personalidades seleccionadas pelo DN. A equipa vencedora será premiada com uma viagem, "com possibilidade de fazer a cobertura jornalística de um evento".

Dado haver, neste processo, um contacto dos alunos com alguns géneros jornalísticos, o site do projecto disponibiliza alguns recursos , nomeadamente os seguintes módulos:
Módulo 1:
Como fazer uma Nota Biográfica?
Módulo 2:
O que é uma entrevista?
Módulo 3:
O que é uma reportagem?
Módulo 4:
Para que Serve um Jornal?
Módulo 5:
As Editorias
Módulo 6:
Os Géneros Jornalísticos
Módulo 7:
As Fontes de Informação
Módulo 8:
As Notícias
Módulo 9:
A Importância de um Título
Módulo 10:
A Manchete
Módulo 11:
O Fotojornalismo
Módulo 12:
O Grafismo
Módulo 13:
O Jornalismo Digital Os organizadores estabeleceram como objectivos para este projecto os seguintes:
* Fomentar nos jovens participantes hábitos de leitura e interesse pelos acontecimentos do mundo que os rodeia, ambos fundamentais para o correcto exercício da cidadania.
* Desenvolver o sentido critico na relação com os Media mediante o entendimento dos desafios e escolhas que se colocam a um jornalista de forma a correcta recolha, tratamento e divulgação de informação.
* Identificar as características e regras do trabalho inerente a uma entrevista e a uma reportagem.

Mais informação:
AQUI

Fonte: Educomunicação

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Prêmio Sesi Qualidade na Educação

Será na próxima sexta-feira (09/04) o lançamento do Prêmio Sesi Qualidade na Educação.

O prêmio é um esforço de empresários do setor industrial, em parceria com a Unesco e o Movimento Todos Pela Educação, para estimular a melhoria da educação básica no país a partir da escola.

A avaliação será feita em três etapas: Quantitativa, Qualitativa e pela Comissão Julgadora. Serão considerados desde indicadores oficiais de qualidade de educação (IDEB, ENEM, SIMEB), até informações colhidas por especialistas que farão visitas técnicas.

Para fazer a inscrição da escola, a equipe gestora deve acessar o site do Sesi (www.sesi.org.br) e preencher os instrumentos de avaliação elaborados segundo os critério de análise do Prêmio Sesi, que são: prática pedagógica, gestão escolar, ambiente educativo e resultados da aprendizagem.

Fonte: Todos pela Educação

terça-feira, 6 de abril de 2010

Concepções e níveis de leitura

CONCEPÇÕES DE LEITURA
Por Ezequiel Theodoro da Silva

O que pensamos de um processo dirige o modo como executamos esse processo e, por extensão, o modo como ensinamos esse processo a outras pessoas. No fundo, essa afirmação expressa o fato de que o pensamento conduz e dirige as nossas ações; ou, ainda, que a prática se funda na teoria e é por esta orientada.

Tendo por base esse esclarecimento inicial, cabe-nos entrar no mundo da leitura, lembrando que este mundo não é plano; pelo contrário, o mundo da leitura é complexo, elíptico ou espiralado, discrepante e multifacetado. O mesmo pode ser dito em relação ao "processo de leitura", também complexo e multifacetado.

Uma concepção "plana" do processo de leitura pode levar a ações também planas e superficiais em termos de leitura e de ensino da leitura. Neste caso, por ser aligeirado em sua definição, o ato de ler perde em densidade teórica, levando a práticas pedagógicas inconsequentes, que em nada contribuem para a formação de leitores ávidos e maduros.

Uma concepção "complexa" do processo de leitura é capaz de permitir uma análise para acurada dos fatores que interagem durante as práticas de leitura. Por levar em conta a natureza espiralada do ato de ler, essa concepção poderá fazer com que os mediadores de leitura (professores, bibliotecários, pais, etc.) levem em conta, para efeito de ensino-aprendizagem, os condicionantes que dinamizam o processo de leitura, permitindo o monitoramento crítico de cada um deles.

Gostou? Quer continuar a ler? Visite o blog Leitura e Ensino ou clique aqui!!!

O Mundo dos Leitores

Quer ter uma idéia de como alguns leitores arrumam sua estante e suas pilhas de livros?
Dá uma lidinha no texto de Carolina Pinho, postado no blog Lector in Fabula:
Lector in Fabula - O Mundo dos Leitores: O Iluminado, por Carolina Pinho - Especialmente para o Lector in Fabula