quinta-feira, 28 de abril de 2011

On the Market: Thinking Critically About Advertising


Compartilhamos Plano de Aula do New York Times para os professores dicutirem publicidade com seus alunos.
By Annissa Hambouz and Holly Epstein Ojalvo - News York Times

Overview | How are food and beverage marketers blurring the line between advertising and entertainment to engage young consumers, and why does this concern nutrition experts and children’s advocates? To what extent are product-related games, quizzes and apps making children both recipients and tools of marketing? In this lesson, students consider various forms of advertising, then keep logs of the ads and other branded content they encounter in a specified period, and reflect on their experiences with marketing.

Materials | Computers with Internet access, copies of or links to examples of advertisements and commercials (see below for details)

Warm-Up | Before class, display the following three-question quiz on the board or distribute it in a handout:

1. It is conservatively estimated that children influence more than $_______________ in food and beverage purchases each year in the United States.
a. 10 million
b. 50 million
c. 50 billion
d. 100 billion

2. In February, the McDonald’s sites HappyMeal.com and McWorld.com received a total of ______________ visitors, around half of whom were under 12.
a. 7,000
b. 70,000
c. 700,000
d. 7 million

3. General Mills’s Lucky Charms site, with virtual adventures starring Lucky the Leprechaun, had __________ visitors in February.
a. 27,000
b. 57,000
c. 157, 000
d. 227,000

Have students answer the questions individually or with a partner. Call on several to volunteer their guesses, and then share the correct responses (1. d; 2. c; 3. d), and then explain that these sentences were all taken from the article they will be reading in class. Ask students if they find any of these numbers surprising.

Next, poll the class. Ask for a show of hands for each of these questions, and tally responses on the board: Have you ever played a game, taken a quiz or used an app related to a food, drink or other product? Have you ever “liked” a product on Facebook? Ask some students to share which products they have engaged with in interactive ways online, and why. List them on the board.

Ask: What do you notice about the list? Have you been more apt to buy, or ask your parents to buy, products associated with these interactive features? Or were you already dedicated consumers of these products?

You might also ask them to speculate on how students their age interacted with products, so to speak, 10 or 20 years ago, and explain that while many companies have had product-related Web sites for the last decade, interactive games, online quizzes and apps geared to children, and product pages on Facebook, are much more recent creations. (Note that Facebook started up in 2004 and the iPhone went on the market in 2007, and that their parents may well have grown up, largely, before the Internet became part of mass culture.)

Ask: How do you think things are different today than they were when ads were limited largely to print, display, radio and television? Tell students to keep this contrast in technology in mind as they read today’s article.

Related | In the Business Day article “In Online Games, a Path to Young Consumers,” Matt Richtel reports on the way food and beverage companies are advertising their products using interactive media to build deep ties with young consumers:

Critics say the ads, from major companies like Unilever and Post Foods, let marketers engage children in a way they cannot on television, where rules limit commercial time during children’s programming. With hundreds of thousands of visits monthly to many of these sites, the ads are becoming part of children’s daily digital journeys, often flying under the radar of parents and policy makers, the critics argue.

“Food marketers have tried to reach children since the age of the carnival barker, but they’ve never had so much access to them and never been able to bypass parents so successfully,” said Susan Linn, a psychiatry instructor at Harvard Medical School and director of the Campaign for a Commercial-Free Childhood, an advocacy coalition. Ms. Linn and others point to many studies that show the link between junk-food marketing and poor diets, which are implicated in childhood obesity.

Read the entire article with your class, using the questions below.

Questions | For discussion and reading comprehension:

  1. Why are nutrition experts and children’s advocates concerned about the latest developments in food and drink marketing, according to the article?
  2. How is television advertising different from online advertising?
  3. What does Kelly Brownell mean when he says that children are not only the recipients of marketing, but also the tools of marketing?
  4. What does the term “360-degree marketing” mean, and what are some examples?
  5. What do you think about the fact that companies are getting smarter about the way they advertise to young consumers (e.g., games, quizzes, apps, social media)? Why?

Activity | Break the class into small groups and give each group one kind of product advertisement to peruse, with one or two examples. Here are suggestions:

  • Print ads from magazines and newspapers
  • Display ads, like billboards and kiosks
  • Television commercials, like the 2011 Super Bowl commercials
  • Product placements in movies and television shows
  • Radio spots
  • Internet ads, like clickable ads and splash pages on Web sites
  • Internet Web sites for products
  • Online games and quizzes for products
  • Product apps for cellphones or tablets
  • Social media campaigns, like product Twitter feeds and Facebook pages

Each group should prepare to introduce the advertising form to the class and provide a brief overview of how the advertiser uses the form to appeal to the audience. How compelling did the class find each ad? Why?

When students are familiar with various types of ads, tell them that they will track, individually, the frequency with which they encounter advertising, by keeping a log of all ads in all forms that they encounter in a specified time period. Suggestions include one afternoon and evening, from when school lets out until they go to bed; a 24-hour period; or over the course of a weekend.

For each one, they should note:

  • The time of day.
  • The name of the product or service and the company.
  • The type of ad or branded content (e.g., billboard, multimedia game, online quiz, TV commercial, product placement in a movie or show, splash ad on a Web site).
  • Where they saw it (e.g., name of Web site, TV channel, side of a building).

Going Further | When logs are complete, students write reflection papers on the advertising they encountered, noting the patterns they noticed with respect to number, frequency, type of ad and type of product, and their own reactions to the ads of their choice.

Questions for students to consider include these: Did any put them off for any reason? Did any particularly compel or engage them? Did they find themselves wanting to purchase or experience any of the products or services? If so, can they figure out why? How did the ads “target” them? Which engaged them as “tools”?

They might include a section on food and drink advertising, and the connection they see between the ads they encounter and their personal nutrition habits.

Finally, they might note whether, after this experience, they think they will be more likely, less likely, or just as likely to use product-related games, quizzes or apps or visit product pages at social networking sites like Facebook or Twitter, and why.

If desired, students can share their thoughts on our Student Opinion question “How Much Are You Influenced by Advertising?”

To go even further, they might also check out Morgan Spurlock’s documentary “The Greatest Movie Ever Sold,” which looks at the blurred line between advertising and entertainment, or the 2001 PBS report “The Merchants of Cool” to see just how much youth marketing has changed over the last decade, and write a review.

And to go in a slightly different direction, move beyond advertising to personal media habits and have students track their use of digital media. How much of their total personal media consumption consists of engagement with advertising versus interpersonal communication, entertainment, learning and other activities? Can they definitively separate engagements with advertising from other activities? When and were are the lines blurred? Have they considered “unplugging” and going “screen free” for, say, a week?

Standards | This lesson is correlated to McREL’s national standards (it can also be aligned to the new Common Core State Standards):

Language Arts
1. Uses the general skills and strategies of the writing process
5. Uses the general skills and strategies of the reading process
7. Uses general skills and strategies to understand a variety of informational texts
8. Uses listening and speaking strategies for different purposes

Arts and Communication
1. Understands the principles, processes and products associated with arts and communication media
2. Knows and applies appropriate criteria to arts and communication products
3. Uses critical and creative thinking in various arts and communication settings
4. Understands ways in which the human experience is transmitted and reflected in the arts and communication

Behavioral Studies
1. Understands that group and cultural influences contribute to human development, identity and behavior

Business Education
43. Understands the roles of marketing and the impact of marketing on the individual, business and society
44. Understands how external factors and competition influence or dictate marketing decisions
46. Understands characteristics of a market and strategies used to deal with a diversified marketplace

Life Skills: Working With Others
1. Contributes to the overall effort of a group
4. Displays effective interpersonal communication skills

Technology
6. Understands the nature and uses of different forms of technology

Health
1. Knows the availability and effective use of health services, products and information
2. Knows environmental and external factors that affect individual and community health
6. Understands essential concepts about nutrition and diet
7. Knows how to maintain and promote personal health

Fonte: New York Times- 25/04/2011

Poder y comunicación: entrevista a Julio Bárbaro y Horacio Gennari

Compartilhamos entrevista feita por Gustavo G. Coppola, das Edições La Crujía, com os autores do livro Poder y Comunicación, hacia una Argentina 3.0. Para ler e refletir!

Julio Bárbaro tiene experiencia en política y su paso por el ex Comfer le aportó conocimientos prácticos sobre las Políticas de Estado en el campo de los medios de comunicación. Gennari, un avezado empresario, sabe como la experiencia privada en medios puede conjugarse con el Estado.

El libro, editado por la editorial La Crujía llega en un momento especial. Significativamente hace un poco más de un año que se aprobó la nueva ley de medios de comunicación. Donde acaloradas discusiones se dieron en la opinión pública, pero nunca quedó clara la infraestructura con la que cuenta la Argentina, ni se encontraron posiciones para que lo público y lo privado conjuguen en un objetivo en común.

La Crujía: Una de las ideas que quedan claras en la lectura del libro es que el mayor problema que existe para que la Argentina pase a una comunicación 3.0 es la lucha de poderes entre el Estado y los grupos multimedios (y económicos). Pero también que las ideas que se proponen desde el Estados se contraponen a las posibilidades técnicas para regular las acciones.

Horacio Gennari: Es correcto. Sin embargo desde el libro pensamos que es factible una articulación estado-empresas y repensar un mapa 3.0 pero sin destruir las tecnologías existentes. Barreras técnicas siempre hay y habrá, como en todo país. Pero si se dan marcos sustentables en el tiempo, las inversiones llegan y por ende las barreras desaparecen.

Julio Bárbaro: Primero, que el estado controle los medios es importante políticamente para el gobierno y no siempre para beneficiar a los necesitados.
Es positivo haber enfrentado al poder de Clarín, haber puesto el poder de los medios en la mesa de debate,si no pasa de aquí termina en un empate.

La Crujía: ¿La limitación técnica para controlar los medios de comunicación y desarrollar una política de medios acorde a los tiempos, que se soslaya en el libro, es un problema de guerra de ideas (políticas) de cómo hacerlo, o de falta de interés por parte del Estado y los Grupos Privados?

Julio Bárbaro: La limitación principal nunca es técnica, es política, en Argentina el 70 % tiene televisión paga, el 30 % que no puede pagarla no ve nada o algún canal de aire borroso. Lo importante es que lo gratuito exista, y eso no lo lograron todavía.

H. Gennari: Puede ser una mezcla de todo eso más... la falta de conocimientos. En ciertos casos debemos dejar de lado las ideologías y pensar solamente como hacer para llevar conectividad a 10 millones de hogares.

La Crujía: El libro parece contener tres grandes estructuras que se interrelacionan entre sí y que parecen necesitar de un correlato para poder implementar una buena gestión de medios para la Argentina 3.0: "Contenidos, tecnología para regular y controlar los contenidos y transmisión masiva de esos contenidos. Por otro lado, Poder para hacerlo (desde lo público o privado) y un último que es Ideológico, es decir la adecuación de las ideas del momento a la gestión. ¿Esto es así? Y ¿Cuál es la posibilidad de que estas variables se unan en un punto en común? ¿Si esto no ocurre se puede llegar igual a desarrollar un sistema de regulación y control de medios que se inserte en esta nueva era?

Julio Bárbaro: El libro debate contenidos, tecnología y desarrollo para que llegue a la sociedad, el estado debe tener poder para regular, es casi imposible cualquier desarrollo si se asume como una guerra entre estado y privado.
Una cosa es regular y otra intentar imponer un pensamiento coyuntural, terminamos entre dos monopolios, el gobierno que lejos esta de ser el estado y Clarín que en nada se asemeja a la libertad de los privados. El cable tiene más abonados que nunca, las radios se escuchan plagadas de interferencias y los que no tienen dinero no ven nada.

H. Gennari: Vamos a un mundo de caos mediático, donde será casi imposible pensar en regulaciones para todo.
Estamos viviendo en la era donde trastabillan los derechos de autor, donde los contenidos fluyen por autopistas del espacio.
Sinceramente en el mundo wikileaks veo muy difícil una central todopoderosa de control.
Remitámoslo a lo que está pasando en el mundo árabe y la influencia que están teniendo las redes sociales.

La Crujía: ¿En qué ayuda la nueva ley de medios a la propuesta de una argentina 3.0 que se señala al finalizar el libro y en qué es un obstáculo?

H. Gennari: La ley de medios es un gran punto de partida. Será o no un obstáculo en función de la reglamentación y adaptaciones que tendrá. Hay que escuchar a los actores.

Julio Bárbaro: La ley ayuda al abrir un debate necesario, y limita al tomar el estado como la teoría del actual gobierno. Hasta el momento es muy poco lo que podemos comprobar de avance de la ley para los ciudadanos, se ha confundido cantidad de micrófonos con porcentaje de audiencia y Estado con Gobierno, son dos errores

La Crujía: ¿Cuál es el peligro de llegar al escenario más terrible, la de no tener un buen sistema de medios que integre a la Argentina a esta nueva era?

Julio Bárbaro: El peligro es que los medios sigan siendo una expresión de la fractura social, los integrados ven cien canales y tienen todos los servicios mientras el 30 % de los otros no accede a nada o casi nada. Mientras lo gratuito no sea digno lo pago no será legitimo, las deformaciones que quedan de Menem y Cavallo deben ser corregidas.

H. Gennari: La brecha del siglo XXI es digital, de no poder adecuarnos tendremos analfabetos digitales y ese es el peor de los escenarios.

La Crujía: ¿por qué hay que leer el libro Poder y Comunicación, hacia una argentina 3.0?

Julio Bárbaro: Es un libro escrito con la mente abierta, una mirada equidistante del poder de Clarín y del poder del estado, una tercera posición imprescindible entre las dos hinchadas, la del gobierno y la de Clarín. Pensar diferente a los combatientes y respetar tanto el imprescindible poder del Estado como el necesario desarrollo de lo privado.

H. Gennari: Intentamos con Julio dar elementos a empresarios, ejecutivos, profesionales y hasta jóvenes vinculados a las comunicaciones y los medios, para que puedan desenvolverse en un mundo cada vez más complejo.
Son tantos los cambios que se suceden, que el libro corre el riesgo de quedar viejo en mediano tiempo. Por eso, invitamos a los lectores a continuar reflexionando en nuestro blog www.argentinatrespuntocero.com y a seguirnos en twitter @juliobarbaro y @horaciogennari.
¡El aprendizaje es continuo!

Fonte: Edições La Crujía/ Gustavo G. Coppola

Qué realidad construyen los diarios? Una mira desde el periodismo en contextos de periferia

Dicas de livros das Edições Crujía, uma das melhores - na nossa opinião - na relação comunicação e educação!

Radio Intinerante.Radio en la escuela y en la comunidad
En Latinoamérica, la radio llega a zonas inimaginadas. Por eso, además de acompañar, cumple una clara función social. En muchos casos, es el único espacio de comunicación, tan vital como los caminos o los ferrocarriles.

La radio en el barrio, en la escuela, construye encuentro, recupera la palabra para hacerla colectiva, porque todos tenemos algo que decir, porque todos tenemos derecho a hacernos oír.

Entendiendo la comunicación como un derecho y la información como un bien social, Radio Itinerante es la caja de herramientas de la producción radiofónica para facilitar la toma de la palabra y la construcción del propio relato en las escuelas y las organizaciones de la comunidad, acompañando el proceso de construcción de la comunicación, abriendo los micrófonos para tomar la palabra y entre todos construir el relato colectivo.

Nuestra propia voz... en los barrios, en las escuelas, en las plazas, en las organizaciones, construyendo desde el consenso, involucrándonos. La comunicación que construye otro relato de nuestras vidas, que nos invita al cambio y a nombrar las cosas desde nuestra realidad.

Andrea Holgado
La Crujía Ediciones
Edición Buenos Aires - 2010
Páginas 216


Qué realidad construyen los diarios? Una mira desde el periodismo en contextos de periferia

Es un manual que permite entender la trastienda del periodismo y su vínculo con aquella realidad que aborda hasta el hartazgo desde diferentes espacios y miradas. Es un aporte para entender de qué manera se construyen las noticias, sin perder de vista las decisiones editoriales, el contexto político y, principalmente, el rol que cumplen los periodistas en contextos de periferia.

César Arrueta es Doctor en Comunicación Social egresado de la Facultad de Ciencias de la Información de la Universidad Austral de Buenos Aires. Es Becario Postdoctoral del CONICET y miembro investigador de la Unidad Ejecutora en Red de Investigaciones Socio-históricas Regionales (ISHIR-CONICET).

César Arrueta
La Crujía Ediciones
Edición Buenos Aires - 2011
Páginas 246

terça-feira, 26 de abril de 2011

Ângulos, enquadramentos e jornalismos

Compartilhamos texto do professor Manuel Pinto, da Universidade do Minho/Braga (Portugal), sobre documentos publicados no Wikileaks e divulgados por outras redes de comunicação.

A Wikileaks, em acção conjugada com uma série de jornais de diferentes países, começou ontem a divulgar documentos confidenciais do Pentágono acerca dos detidos na prisão de Guantanamo, na sequência dos ataques terroristas do 11 de Setembro.Eis como os sites de dois órgãos de informação prestigiados como são a BBC News e a CNN International noticiavam estes factos (dá-se apenas o título e o 1º parágrafo ou lead, recomendando-se a leitura de cada uma das peças):

CNN: Military documents reveal details about Guantanamo detainees, al Qaeda
Nearly 800 classified U.S. military documents obtained by WikiLeaks reveal extraordinary details about the alleged terrorist activities of al Qaeda operatives captured and housed at the U.S. Navy's detention facility in Guantanamo Bay, Cuba.(...)

BBC: Wikileaks: Many at Guantanamo 'not dangerous'
Files obtained by the website Wikileaks have revealed that the US believed many of those held at Guantanamo Bay were innocent or only low-level operatives.(...)

Consultar diferentes fontes de informação e comparar o modo como cada uma propõe e apresenta os mesmos acontecimentos é um dos caminhos mais interessantes e necessários da literacia sobre os media.

Neste caso, trata-se de observar, em especial, aquilo que cada entidade informativa quer sublinhar, ao construir o título e o lead. E, ao sublinhar e destacar, que ângulo de abordagem adopta. Passa por aqui o estudo do framing ou enquadramento das notícias.

Importa notar que um exercício como este não envolve necessariamente um juizo definitivo sobre a qualidade da informação. Para tal precisamos de ir mais longe. Por exemplo: considerando o conjunto da informação difundida sobre os acontecimentos, bem como a respectiva contextualização. Mas há aqui um factor que é importante na análise: quem informa e a partir de onde informa (que quadro de interesses e pontos de vista). Por isso, o "quem" da notícia não pode ser procurado apenas no conteúdo daquilo que é dito mas também em "quem" veicula esse conteúdo.

Fonte: Educomunicação/Manuel Pinto (post inspirado em artigo do Wikileaks)

Ana Brambilla: ‘o curador da informação não pode mais caminhar separado de um curador do relacionamento com o público’

A jornalista e pesquisadora Ana Brambilla é responsável pela edição do e-book coletivo 'Para Entender as Mídias Sociais', obra que reúne o pensamento de 35 autores em textos que focam os temas Bases, Mercado, Redação, Persona e Social. O livro, que pode ser acessado gratuitamente, registra ideias e reflexões de estudiosos e profissionais de mercado sobre questões que relacionam as mídias sociais com os diversos segmentos da sociedade e da comunicação.

Para Ana, que já foi editora de mídias sociais no portal Terra e editora de conteúdo colaborativo na Editora Abril, "o curador da informação prosperou de maneira focada no veículo e não na rede de colaboradores". Confira a seguir entrevista com Brambilla que atualmente também assina projetos de consultoria em mídias sociais na cooperativa digital Polipress:

Nós da Comunicação – Afinal, o que é preciso para compreender as transformações e os impactos gerados pela revolução das mídias sociais?
Ana Brambilla – É preciso entender, antes de qualquer coisa, que mídias sociais são um fenômeno multifacetado e interdisciplinar, que abrange um sem-número de setores da sociedade. O que buscamos trazer neste livro são algumas das áreas que estão ancorando esta revolução, talvez pela característica de seus profissionais - alguns mais ligados à tecnologia, outros preocupados com o impacto social, outros ligados na esfera midiática que está intrínseca ao meio como o próprio nome já diz: ‘mídias’ sociais.

Nós da Comunicação – Um dos temas abordados em sua primeira entrevista ao nosso site relacionava-se com a mudança da atuação do jornalista na era das mídias digitais e da colaboração. De 2008 para cá, como evoluiu essa questão? O jornalista assumiu seu papel de 'curador das informações' ou hoje desempenha outra função? Qual?
Ana Brambilla – O curador da informação prosperou de maneira focada no veículo e não na rede de colaboradores. Explico: o jornalista mais antenado atualmente, que dá importância e procura o conteúdo produzido pelo usuário e que faz uso das mídias sociais existe hoje em algumas redações, na figura do editor de mídias sociais. Mas o foco desse profissional, na maioria das vezes, ainda é a geração de audiência e o benefício único do veículo para onde trabalha. Ou seja, não há preocupação em educar o público para que as colaborações cresçam em número e em qualidade, em fidelizar o colaborador por meio das redes sociais, em ser gentil e manter um diálogo com o público presente nessas redes, de modo a valorizar capitais intangíveis da empresa jornalística. Diria que, se o curador da informação já existe, ele não pode mais caminhar separado de um curador do relacionamento com o público.

Nós da Comunicação – Quais assuntos se destacam no capítulo 'Redação', que tem como foco o uso das mídias sociais pelos comunicadores e seus desdobramentos?
Ana Brambilla – Coberturas participativas; relevância de perfis jornalísticos em mídias sociais; as mudanças que as mídias sociais promovem na narrativa jornalística digital; como essas redes de relacionamento interferem na visão de tempo-real nas redações; possibilidades de se usar mídias sociais no jornalismo online e quais as interfaces que as mídias sociais mantêm com meios tradicionais como a TV.

Nós da Comunicação – Baseando-se na parte do livro que propõe uma reflexão sobre o mercado, incluindo os pontos de vista das agências de comunicação, das empresas e marcas e suas relações com o novo consumidor - de produtos e de informação - em que nível de desenvolvimento estão as organizações brasileiras?
Ana Brambilla – Pelas ideias e exemplos apresentados pelos autores dos artigos desse núcleo, as empresas brasileiras ainda estão no nível do aprendizado conceitual, ou seja, tentando entender a lógica das mídias sociais. Eu diria que é um estágio bastante inicial em que noções como capital social, buzz, reputação e capitalização por meio dessas redes não são conceitos de domínio comum, mas existe um esforço grande para aprender pelo modelo ‘tentativa e erro’, o que pode não ser o mais adequado quando se lida com uma exposição tão grande quanto a provocada pelas mídias sociais. Mas as nossas agências de comunicação que têm enfoque nessa área parecem estar num estágio de amadurecimento avançado, pronta para atuar na evangelização da cultura de mídia social dentro das organizações e dos maiores anunciantes.

Nós da Comunicação – No relatório 'Freedom on the net', divulgado recentemente, o Brasil foi classificado como uma nação que goza de liberdade na internet. Entretanto, o estudo indica vários 'gargalos' em questões como dificuldade de acesso, limites ao conteúdo e violação de direitos dos usuários. Que contribuições o núcleo social do livro, que reúne artigos sobre política e diversas forma de mobilização, pode dar para essas discussões?
Ana Brambilla – Os artigos integrantes desse núcleo social denunciam, de modo geral, a deficiência de esferas públicas, políticas e privadas aqui do Brasil em relação à exploração adequada das mídias sociais com vistas à liberdade de expressão e horizontalização de processos de produção do conhecimento. Creio que este capítulo do livro seja fundamental para apontar as carências que o país sofre em termos de ampliação do uso das mídias sociais para o bem comum e, quem sabe, promover alguma mudança no direcionamento de ações que visem à inclusão digital sob moldes realmente igualitários.

Fonte: Nós da Comunicação 26/04/2011

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Half of parents know less about the internet than their children

Half of parents with children aged 5-15 who use the internet at home think they know less about the internet than their children do, new Ofcom research published today reveals. This rises to 70 per cent of parents of 12-15 year olds.

At the same time, there has been increased online activity among children in the past year, including higher usage of mobile and games consoles to go online.

Around one fifth (18 per cent) of 5-15 year olds own a smartphone, and 16 per cent go online via a games console.

However, among 12-15 year olds this rises to over one third (35 per cent) owning a smartphone and nearly a quarter (23 per cent) going online via a games console. Forty one per cent of this age group now access the internet in their bedroom, up from 31 per cent in 2009.

Parents appear to be less concerned about how their children use the internet.

They are less likely to say they have internet parental controls set– 37 per cent in 2010 compared to 43 per cent in 2009. Those that don’t have parental controls mainly say it’s either because they trust their child or because they are supervising them.

The findings form part of Ofcom’s media literacy reports, which focus on the safe and informed use and understanding of digital content among UK adults and children.

Here are the other key findings:

TV loses top spot as most-missed media for younger people

  • Seventy-four per cent of all households now have the internet at home – an increase of three percentage points from 2009 – and the amount of time adults spend online has also risen to 14.2 hours (up from 12.2 hours in 2009).
  • 12-15 year olds now say they spend 15.6 hours per week on the internet, just below the 17.2 hours they spend watching TV.
  • TV remains the media that would be missed the most for the UK as a whole, although it has decreased – from 50 per cent in 2009 to 44 per cent in 2010.
  • For the first time 16-24s do not say they would miss TV the most –they are more likely to say mobile phones (28 per cent) ahead of TV (23 per cent), and are as likely to say the internet (26 per cent).
  • Among children aged 12-15, television is no longer the most-missed media (24 per cent), as 26 per cent say they’d most miss their mobile and 24 per cent say the internet.
  • The popularity of mobile phones among 12-15s is reflected by the estimated number of text messages sent per week doubling since 2007, with 113 texts sent per week compared with 54 in 2007.

    Children and social networking

    • Overall, 54 per cent of children aged 8-15 who use the internet at home have a social networking profile, an increase of nine percentage points since 2009. This is now the same percentage as for adult internet users (54 per cent compared with 44 per cent in 2009).
    • Within this, around a third (34 per cent) of children aged 8-12 who use the internet at home have a social networking profile on sites that require users to register as being 13 or over (such as Facebook, Bebo or MySpace), up from a quarter in 2009. This rises to 47 per cent of 10-12 year olds.
    • A quarter of children aged 8-15 with a smartphone say that they regularly use it to visit social networking sites.

    Online privacy and personal data

    • More children say they have become more careful about their privacy online, (87 per cent of 12-15s now say their profile can only be seen by friends compared with 78 per cent in 2009)
    • However, nearly one third of this age group (32 per cent) with an active social networking site profile say they speak to friends of friends or people they don’t know.
    • In addition, one in five (22 per cent) of 12-15 year olds who use the internet at home would be happy to share their email address online. These levels of comfort in sharing personal data among young people could mean that they are not evaluating the potential risks.
    • Older children are aware of negative online experiences, with almost half of children aged 12-15 (47 per cent) knowing someone who has had gossip spread about them online or via a text message and three in ten (29 per cent) knowing someone who has had embarrassing pictures made public.

    UK adults less concerned about the internet

    • UK adults have fewer concerns about TV and the internet thyan in 2005 – despite increased take-up and usage. Fifty-four per cent of adult internet users have concerns about the internet, such as offensive or illegal content, or security or fraud issues, down from 70 per cent in 2005.
    • Forty per cent of adults now have any concerns about TV, for example, offensive content (22 per cent), programme quality or repeats (24 per cent) – an overall decrease from 46 per cent in 2005.
    • Two in five (41 per cent) of adults think content on the internet is regulated, an increase of four percentage points since 2009.
    • And nearly half of adult search engine users (44 per cent) are not evaluating search engine results. Around one quarter (26 per cent) believe that if results have been listed by the search engine then they must be accurate or unbiased, up by six percentage points since 2009. And a further 18 per cent say they simply use the sites they like the look of rather than thinking about accuracy or bias.

    More people are using the internet to do more online

    • There has been an increase in adult internet users watching audio-visual content online (41 per cent compared with 32 per cent in 2009).
    • There has also been an increase in the use of the internet for health information with over half of internet users (56 per cent) saying that they have ever used the internet to find out more about an illness, an increase of nine percentage points on 2009.
    • And more people are regularly using the internet for transactions such as buying and selling online (43 per cent in 2010 – up from 37 per cent in 2009).
    • Eight in ten adult internet users (82 per cent) say that they saved money in the last six months by using the internet, for example comparing prices or buying online rather than in the shops.

    Ofcom has published a consumer guide ‘Managing your media in a digital world’ to help parents understand some of the issues raised by Ofcom’s research.

    Fonte: Ofcom

Jovens preferem telemóveis e Internet à televisão

Veja abaixo matéria publicada no Sapo, portal de notícias português, sobre estudo da Ofcom (Inglaterra) a respeito dos hábitos dos jovens em relação às mídias.

Prova da mudança dos tempos, a maioria dos jovens entre os 16 e 24 anos preferiam ter de deixar de ver televisão do que ficar sem o telemóvel (celular) ou sem a Internet, segundo um estudo realizado pela Ofcom, a entidade britânica que regula o sector das telecomunicações.

Apenas 23% dos inquiridos afirmaram que se sentiriam incomodados se lhes tirassem a televisão, enquanto 28% estranhariam se ficassem sem o seu telemóvel e 26% se não pudessem aceder à Internet.

Esta foi a primeira vez que a televisão foi relegada para segundo plano nesta análise, realizada todos os anos pela Ofcom, face à restante "concorrência".

Na faixa etária dos 12 e 15 anos a "caixa mágica" volta a ser ultrapassada pelos telemóveis, que continuam a reunir 28% das preferências, empatando com a Internet, sobre a qual 24% dos inquiridos diz não prescindir.

Considerando a população em geral, a TV continua a ser o dispositivo sem o qual mais custaria aos britânicos viver, ainda que a percentagem de respostas nesse sentido tenha diminuído entre as duas últimas análises - de 50% em 2009 para os 44% em 2010, revela a Ofcom.

O estudo mostra igualmente que o tempo que os adultos passam na Internet aumentou das 12,2 horas por semana em 2009 para as 14,2 horas no ano passado.

Fonte: Sapo Tek/ Casa dos Bits 21/04/2011

sexta-feira, 22 de abril de 2011

E-Book sobre educação e tecnologias

Compartilhamos link para o e-book Educação e Tecnologias: reflexão, inovação e práticas, que reúne contribuições de pesquisadores brasileiros e portugueses. O prefácio é de Marco Silva, e pode ser lido aqui. Para ver o sumário e fazer o download clique aqui.

Fonte: Mídias na Educação

terça-feira, 19 de abril de 2011

Guias de imprensa na escola para educadores

Compartilhamos dois guias (em espanhol) do programa Prensa-Escuela do jornal espanhol La Voz de Galicia, voltado a educadores. O primeiro é sobre Jornal e o que fazer com ele na sala de aula, sua estrutura, seções, tipos de textos, publicidade, como se produz um jornal, etc. O segundo é sobre a Notícia, sua estrutura, como se trabalhar com ela na sala de aula, temas e tipos de notícias, como compreender e interpretar uma notícia, etc.

Para ler o guia online, basta acessar: http://www.prensaescuela.es/imagenes//1%20GUIA%20A.pdf


Fonte: Prensa-Escuela/La Voz de Galicia

domingo, 17 de abril de 2011

Midiaeducação uma ‘boa ideia e uma relação necessária

Por Marcus Tavares
Revista PontoCom

O que é mídia e educação? Um conceito? Uma ideia? A sua grafia escrita junta ou separada traduz algum significado? Existiria outro termo que definiria melhor a interface entre a educação e a mídia? Trata-se de um novo campo de estudo?

A revistapontocom inicia esta semana a publicação da primeira parte do Dossiê midiaeducação, na qual vai publicar entrevistas com professores, estudiosos e pesquisadores sobre o tema. A cada semana, pelos próximos três meses, uma nova entrevista. Um novo olhar. Uma nova perspectiva sobre a interface mídia e educação.

Para a OSCIP Planetapontocom, midiaeducação é um conceito que se traduz em um trabalho educativo sobre os meios, com os meios e através dos meios. Sobre os meios, refere-se ao estudo e análise dos conteúdos presentes nos diferentes meios e suas linguagens. Com os meios, trata-se do uso dos meios e suas linguagens como ferramenta de apoio às atividades didáticas. E através dos meios, diz respeito a produção de conteúdos curriculares para e com os meios, em sala de aula e, também, a educação a distância ou virtual, quando o meio se transforma no ambiente em que os processos de ensino-aprendizagem ocorrem.

Anna Helena Altenfelder, Afonso Albuquerque, Paulo Carrano, Ismar de Oliveira, Regina de Assis, Rosália Duarte, Eduardo Monteiro, Inês Vitorino, Mônica Fantini, Gilka Girardello, Rita Ribes, Nilda Alves, Guaracira Gouvêia e Inês Vitorino são alguns dos nossos convidados/entrevistados da série. Na abertura do dossiê, você confere o diálogo com a professora Nilda Alves, da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Além de vários livros publicados, a professora coordena o Laboratório Educação e Imagem e, pelo CNPq, o grupo de pesquisa Currículos, redes educativas e imagem.

Você também pode participar desta série, enviando sua dúvida, comentário ou relato de experiência.

Acompanhe:

revistapontocom – Como podemos definir o conceito midiaeducação?
Nilda Alves - Não creio que possamos dizer que “midiaeducação” seja um conceito. É uma ‘boa ideia’ e uma relação necessária. A amplitude que as mídias ganharam em nossos tempos e sua importância como ‘espaço tempo’ educativo, exigiu que o campo da educação dedicasse a ela sua atenção e suas emoções (entusiasmo ou raiva, ‘negação afirmação’). Naturalmente, como em muitas coisas, foram os mais jovens que iniciaram esses processos, trazendo para nossas tantas redes educativas (escolas, movimentos sociais, associações e sindicatos, religiões etc) suas possibilidades, nos dizendo: por aqui, talvez, seja muito mais divertido (e rápido). Claro, essa ideia de diversão (e rapidez) estreitamente ligada a processos educativos – sejam curriculares ou não, mas sempre pedagógicos – ao meio a muitas discussões e brigas, obrigou a que muitas “mexidas” fossem dadas em processos educativos tradicionais e, entre elas, uma a que tenho me dedicado a compreender: a mudança “coperniana” sobre os que ‘aprendemensinam’ nas escolas. Fica cada vez mais difícil falarmos em professores que ensinam e estudantes que aprendem. Somos agora, todos, ‘docentesdiscentes’ ou ‘discentesdocentes’, como preferirem. Além disso, esses contatos possíveis e necessários fizeram com que os limites entre o ‘dentrofora’ das escolas – ou de outra rede educativa que consideremos – fossem caindo um a um. É por isso, que a grande ideia da contemporaneidade, a ser compreendida, é a de redes de conhecimentos e significações. Com ela, não há mais ‘começo preciso’ – no sentido de preciso no poema de Fernando Pessoa – e muito menos um fim datado.

revistapontocom – De onde surgiu este conceito?
Nilda Alves – Como disse anteriormente, não creio que ‘midiaeducação’ seja um conceito. Diria, sim, que passou a ser para muitos de nós “personagem-conceito” como indicou Deleuze: algo necessário ao pensar filosófico sobre alguma questão de nosso ‘espaço tempo’. Lefebvre nos indicou as múltiplas determinações para ‘ideia’ e uma delas, que aqui podemos reter, é a que significa “termo de conhecimento, recapitulando todo o movimento do conhecimento e, portanto, retornando ao imediato. A ‘ideia’ é unidade da ‘mediação’ (da abstração, do pensamento) e do ‘imediatamente’ dado (da natureza)”. Gosto muito, também, do termo ‘noção’, para compreendermos e usarmos em tempos de dúvida (crise?). Ainda Lefebvre nos indica que o recurso à noção aparece quando, em ciência, não temos um conceito fechado sobre uma questão. Desta maneira, o recurso à noção vai aparecer quando um determinado pensamento ainda está em curso. Para mim, me parece muito útil, nestes momentos de tantas dúvidas epistemológicas, teóricas e práticas. Nestes momentos – escrevo poucos dias após ao tremor de terra terrível que abalou a vida dos japoneses e de tanta gente em volta deles – em que até as ciências ditas “exatas” começam a perceber que é preciso abandonar suas bases de certezas – muitas vezes absolutas – para começar a trabalhar com as dúvidas e incertezas ao lidarmos com a natureza e os seres humanos. Nesse momento, talvez “ideia” e “noção” ajudem mais ao que precisamos saber e discutir, nas nossas limitações de cientistas e humanos.

revistapontocom – Qual é o objetivo da midiaeducacao?
Nilda Alves – Assim sendo, existiria um ‘objetivo’ para isso? Os processos que juntaram mídias e redes educativas é uma grande criação humana, desde sempre. Há o clássico exemplo das pinturas rupestres feitas em cavernas pelos seres humanos, em nossos períodos históricos iniciais ou o exemplo pedagógico dos processos curriculares, nos quais o diversificado material didático usado nas escolas desde as sugestões de Comenius, por exemplo – e que tantas lembranças nos trazem quando nos deparamos com qualquer um deles, seja guardado cuidadosamente por uma professora aposentada ou reunidos em um museu (como o Musée national de l’Éducation, em Rouen/França). A condição humana de produzir artefatos é ilimitada e esses surgem junto a ‘usos’ que vão se modificando e impondo mudanças aos artefatos. Gosto muito de lembrar aqui a necessidade de criação do ‘descanso de tela’ quando os PCs foram criados, dentro dos modos de usar cotidianos, as pausas e a ausência dos usuários que iam atender outras demandas, diferentemente dos grandes computadores que tinham sempre “alguém” olhando para eles. Os objetivos de qualquer artefato e de seus múltiplos ‘usos’ são sempre ilimitados já que os seres humanos têm possibilidades diferenciadas: surgindo para acumulação de dados ou para a comunicação – mais rápida e eficaz – vão servindo a múltiplos campos: nas artes; na pedagogia; nas ciências; nos movimentos sociais etc.

revistapontocom – Midiaeducação é a forma mais correta de nomear este conceito? Haveria algum nome mais oportuno?

Nilda Alves – Se nomeamos assim esta relação – ideia ou noção – para explicar um determinado processo humano, creio que deve estar bem nomeada. Se outra relação surgir, os seres humanos em seu conjunto se encarregarão de nomeá-la criativamente.

revistapontocom – Qual é o papel da educação e de seus profissionais nesta relação midiaeducação?

Nilda Alves – Prefiro estudar e me referir aos ‘usos’ que ‘docentes discentes’ fazem dos artefatos culturais que surgem na sociedade nos processos curriculares que desenvolvem. Nas pesquisas que nosso grupo desenvolve esses ‘usos’ são muito variados. Uma observação importante aos leitores: interessa-nos pouco aquilo que os professores não fazem, não querem, não sabem…Queremos sempre saber o que fazem, o que querem, o que sabem…E encontramos coisas muito interessantes quando as procuramos: o interesse, por exemplo, de estudantes de licenciatura pelas disciplinas ‘on line’– dentro dos 20% legais – que desenvolvemos nos cursos presenciais. Ou dentro de projetos, financiados por editais da Faperj, que desenvolvemos em escolas públicas, no ‘uso’ de mídias diversas – jornais na Internet (www.lab-eduimagem.pro.br/jornal e www.lab.eduimagem.pro.br/REDES) ou na produção de vídeos nos quais ‘docentes discentes’ se envolvem e criam artefatos muito, muito interessantes, sejam artigos, sejam vídeos. Criar ‘espaço tempo’ para esta circulação de ideias e artefatos é nuclear para as pesquisas em educação que se preocupam com os cotidianos escolares.

revistapontocom – Qual é o papel da mídia e de seus profissionais nesta relação midiaeducação?
Nilda Alves - Antes de mais nada, quero lembrar que depois da criação dos PCs tanto a indústria desses artefatos como as redes sociais para o ‘softwear livre’ sentiram necessidade de compreender o ‘usuário’ não só como consumidor, mas como criador. As experiências recentes de mudanças políticas no Oriente Médio mostram que os seres humanos criam mesmo. O modo como os ‘softwear livres’ se desenvolveram mostram essa criação. Creio, assim, que nossos tantos profissionais terão muito a receber se decidirem se colocar em redes de trocas de conhecimentos e significações, nas quais ‘aprendemos ensinamos’ uns aos outros de modo consistente e permanente. As contribuições particulares dos profissionais das mídias – elas são tantas que os obriga também a trocar entre eles, não é mesmo? – à educação precisam ser compreendidas nas redes em que os profissionais da educação têm muito a dizer sobre processos educativos múltiplos a outros profissionais. Somente assim, “la nave va” como deverá ir. Na troca mútua, encontraremos também os caminhos melhores para as trocas. A circulação científica exige isto.

Fonte: Revista PontoCom 07/04/2011

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Novas Tecnologias de Informação e Comunicação em Redes Educativas


No livro “Novas Tecnologias de Informação e Comunicação em Redes Educativas” 15 professores foram convidados para apresentar sua experiência na produção de mídia com alunos. Os professores doaram os textos para a obra, que pode ser acessada por download no seguinte link:
http://erdfilmes1.dominiotemporario.com/doc/novas_tecnologiabook.pdf

A idéia principal do livro é motivar professores a produzir mídia com os alunos. No prefácio há a contribuição de Nilda Alves – UERJ; Rosa Maria Bueno Fischer – UFRGS;
Rosalia Maria – PUC; Tânia Maria Esperon – UFPEL e Liraucio Girardi – UNESP, com texto de abertura do professor Ismar de Oliveira Soares – USP.

Fonte: ERD Filmes

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Leer a Mafalda a los 8 años

Compartilhamos texto do blog de Susana Frisancho sobre sua experiência quando o filho de 8 anos começou a ler Mafalda, personagem de quadrinhos do argentino Quino.

Estoy abrumada por las cosas que han pasado últimamente en el proceso electoral y no encuentro la calma necesaria para sentarme y comentarlas. Lo haré más adelante, cuando el ambiente se haya enfriado un poco, pues lo que ocurre en nuestro país necesita un post reflexivo y no uno escrito por impulso.

Hace mucho tiempo, en una clase sobre el condicionamiento operante de Skinner, una profesora nos dijo que cuando se está frente a demasiados estímulos, el organismo suele escapar de ellos haciendo cualquier otra cosa, como el niño que tiene tanta pero tanta tarea que no sabe por dónde empezar y se pone a ver televisión. Y eso es lo que hago ahora: hay demasiado por comentar respecto a las elecciones así que mejor les cuento algo sobre Mafalda, que es la última lectura a la que Paulo se ha dedicado luego de sacar uno de sus comics de la biblioteca del colegio.

Con cierta frecuencia oigo a personas quejarse de que sus hijos no leen. Dicen que ellas han comprado un libro de historia, o Harry Potter, un libro de experimentos o un cuento que alguien les recomendó, pero que no han conseguido que el niño se enganche con la lectura. También con cierta frecuencia oigo decir a estas mismas personas que sus hijos querían espontaneamente leer tal o cual cosa, pero que a ellas ese libro les había parecido horrible, o aburrido, o lleno de palabras soeces, o muy violento, o demasiado infantil para la edad del niño, o irrevente y ateo, o demasiado religioso, o muy político, o lo que fuera, y por eso no lo habían permitido.

Craso error. Siempre aconsejo a los padres posponer un poco sus propias valoraciones sobre los textos que les interesan a los niños y dejarlos acercarse a la lectura a partir de lo que a ellos verdaderamente les interesa y disfrutan. Las razones por la que los niños se interesan en un libro son disímiles y muchas veces están fuera de la comprensión de los padres. En la medida de lo posible, hay que dejar que el propio niño escoja lo que quiere leer, y tener en mente que de lo que se trata es de acercarlos a la lectura y hacer que esta sea una experiencia gratificante. Esto no se logrará si no se le permite al niño leer lo que le gusta.

Paulo, que tiene 8 años, ha traído a casa un comic de Mafalda, y habría que verlo ponerse a leer solito, todas las noches, varios de sus chistes. La verdad, hace algún tiempo intenté leer Mafalda con él pero ví que ésta no lo seducía, así que el intento quedó en nada en aquel momento pues él estaba muy pequeño para ese tipo de literatura.

Sin embargo ahora, y por propia iniciativa, está totalmente involucrado en su lectura. Claro, me doy cuenta de que no entiende ni la mitad de los chistes que lee, pero eso no es impedimento para que disfrute la lectura, se ría a carcajadas con los textos, y pase un momento placentero antes de irse a dormir. Uno podría pensar que Mafalda es demasiado política para un niño tan pequeño y que sus chistes requieren, para tener sentido, de un contexto historico, social y político, y de una cantidad de información que un niño de esa edad todavía no posee. Y sí, es cierto, quien piense así tendría mucho de razón.

Pero Paulo se ríe de cosas muchísimo más concretas de lo que uno puede imaginar: la cara de Manolito en determinada viñeta (especialmente cuando saca la lengua), la manera de correr de una anciana que se asusta de Mafalda, que a ella en algunos dibujos no se le vea la boca, los juegos de palabras (esto le llama particularmente la atención), los giros argentinos (el uso del vos por ejemplo...), y algunas características de los personajes que son más fáciles de identificar para él, por ejemplo, las ganas de fastidiar de Susanita o que Manolito sea tacaño. Alrededor de esta lectura, como sucede siempre que un niño lee, se generan innumerables oportunidades de construcción de conocimiento. De hecho, él aprende muchas palabras nuevas y neologismos en cada uno de los chistes (la última fue correoso, que indicaba que el papá de Manolito usaba mucho la correa con él), lo que le permite tomar conciencia de que el lenguaje es una herramienta flexible, que cada usuario utiliza, en cierta forma, a su manera. También se descentra, pues se pone en la perspectiva de los distintos personajes y esto hace que vaya construyendo de a pocos la capacidad de ver el mundo desde puntos de vista distintos al propio. Asocia distintas características de los personajes y distintos comportamientos en un todo con sentido, lo que lo ayuda a establecer relaciones de parte y todo. Y hace juicios morales, pues comenta los comportamientos de uno y otro personaje haciendo juicios de valor. Obviamente, cuando no entiende un chiste yo se lo explico, y pienso que esto lo ayuda a flexibilizar su pensamiento y a ver ángulos nuevos de la realidad. En fin, me estoy quedando corta en relación a la riqueza que la lectura tiene para un niño.

Animo una vez más a los padres a no juzgar equivocadamente los intereses de sus hijos y sobretodo, a no imponerles los suyos. Incluso una lectura como Mafalda, tan adulta en cierto sentido y aparentemente tan fuera del alcance de los niños, es una fuente invalorable de placer y aprendizaje para ellos. No hay que privarlos de estas experiencias.

Fonte: Blog de Suzana Frisancho

Twitter para ensinar literatura


Um dos maiores desafios que os educadores encontram para levar as TICs para a sala de aula está em aliar conteúdos curriculares ao uso pedagógico das ferramentas digitais. Uma experiência realizada no colégio Hugo Sarmento, em São Paulo, é um bom exemplo.

Trata-se de uma oficina que deve ser repetida neste ano, quando o Concretismo voltar a ser trabalhado em sala de aula. Ao ensinar técnicas narrativas e poesia deste movimento artístico para alunos da sétima série, o professor Tiago Salles usa o Twitter (@hs_micro_contos) para apresentar as possibilidades de construção dos textos curtos.

Na experiência mais recente, Salles organizou, com a diretoria do colégio particular, uma oficina de microcontos para o Twitter, ou seja, histórias com começo, meio e fim narradas com os 140 caracteres. Ele conta que a recepção dos alunos foi excelente: “No começo, eles se sentiram desestimulados, achavam que não seriam capazes de realizar as atividades propostas”.

No entanto, com o decorrer da oficina, foram se adaptando, e a percepção da turma sobre a rede de microblogs mudou. “Muitos achavam o Twitter algo inútil e passaram a olhar a ferramenta de outra maneira, eles ficaram instigados”, diz. Salles conta também que a ideia veio de diversas inspirações, como a obra Dois Palitos do autor Samir Mesquita e de oficinas literárias das quais participou.

Confira algumas dicas para usar o Twitter em sala de aula


Salles afirma que algumas dificuldades do projeto podem ser facilmente dribladas. A partir das experiências contadas pelo educador, preparamos um guia rápido para auxiliar o professor. Confira:

1- Antes de se arriscar a escrever no Twitter, o professor pode criar um quadro com 140 quadrados e praticar de forma lúdica com os alunos as possibilidades proporcionadas pelo espaço. Como o tema da aula era poesia concreta, Salles explica que esse quadro lúdico -que pode ser montado com cartolina, papel ou mesmo em um quadro- permite ao aluno explorar diversas possibilidades narrativas e poéticas, a partir de referências do professor.

2- Grande companheiro dos adolescentes, o SMS também pode ser utilizado nesse contexto. O professor estimula exercícios narrativos através dessa ferramenta, convidando os alunos a escreverem mensagens com começo, meio e fim com poucos caracteres para os amigos, discutindo as técnicas utilizadas em sala de aula.

3- Salles destaca que boa parte do sucesso da iniciativa se deve ao fato de os alunos do colégio já estarem habituados a ferramentas online, como blogs e podcasts, que podem ser utilizadas de diversas maneiras. O professor pode contextualizar, no decorrer da oficina, algumas dessas possibilidades (A cartilha Tecnologias na escola, coproduzida pelo Instituto Claro, traz dicas de utilização de diversas ferramentas).

4- Mesmo trabalhando o conteúdo das disciplinas de forma atrelada à exploração de ferramenta, deve-se estimular os alunos a produzirem seus conteúdos, e a avaliação dos trabalhos é parte importante para que todos percebam os resultados do uso dos recursos digitais no processo de aprendizagem.

Fonte: Instituto Claro

Conferência Ibérica em Inovação na Educação com TIC (ieTIC)

Realiza-se nos dias 15, 16 e 17 de Julho de 2011, no Instituto Politécnico de Bragança, a ieTIC (Conferência Ibérica em Inovação na Educação com TIC) que incluirá não só palestras, workshops e comunicações mas também uma exposição de tecnologias e recursos multimédia, além de uma LAN Party educativa (a decorrer no castelo de Bragança, integrando a componente científico-tecnológica à componente cultural e turística).

A conferência admite a apresentação de trabalhos em português, espanhol e inglês, nos formatos de artigo e poster que se enquadrem nas suas temáticas. Aceitam-se também propostas de Workshops.

As directrizes para autores e as políticas de arbitragem científica podem ser conhecidas na página web da conferência. Os melhores artigos serão publicados na Revista de Educação - EDUSER.

A ieTIC abordará as seguintes temáticas: movimentos e ocorrências emergentes da sociedade da informação; comunicação e interacção em redes de aprendizagem e formação; produção e integração de recursos educativos e políticas e projectos para a aprendizagem e formação com TIC.

Para mais informação, visite o Website da conferência: http://comunidade.ese.ipb.pt/ieTIC/ ou contacte-nos através do correio electrónico ietic@ipb.pt

Fonte: ERTE/PTE > notícias

Educomunicación: más allá del 2.0

Reproduzimos abaixo o resumo do livro Educomunicación - Más allá del 2.0, organizado pelos experts Agustín García Matilla, Joan Ferrés i Prats e Roberto Aparici, contando com a colaboração de outros 13 especialistas íbero-americanos. A publicação, de 320 páginas, é da Editorial Gedisa.

Este libro reúne quince especialistas de Latinoamérica y de España que abordan temáticas vinculadas a la relación educación/ comunicación en el contexto de la cultura digital. Participan Roberto Aparici de España, Delia Crovi de México, Jorge Huergo de Argentina, Joan Ferrés de España, José Antonio Gabelas de España, Agustín García Matilla de España, Alfonso Gutiérrez Martín de España, Mario Kaplún de Uruguay, Ismar de Oliveira de Brasil, Guillermo Orozco de México, Sara Osuna de España, Daniel Prieto Castillo de Argentina, María Teresa Quiroz Velasco de Perú, Carlos Scolari de España y Carlos Valderrama de Colombia. Educomunicación: más allá del 2.0 no es una obra cerrada. Autores y editorial deseamos dialogar con los lectores y deseamos, también, que éste sea el inicio de contribuciones, discusiones y debates sobre la educomunicación en el contexto de la cultura digital más allá del 2.0. Estamos aún en una fase de transición donde convergen las culturas analógicas y digitales y este proceso recién acaba de empezar. Las formas actuales de la cultura popular están ligadas a las redes sociales, la participación, los videojuegos, los videos en youtube, mientras que la cultura oficial en las aulas permanece atada a la tradición gutenberguiana y a modelos educativos transmisivos heredados de la sociedad industrial. La educomunicación nos ofrece una filosofía y una práctica de la educación y de la comunicación basada en el diálogo, la participación y la autogestión que no requiere sólo de tecnologías sino de un cambio de actitudes y de concepciones pedagógicas y comunicativas.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Fala Mestre!


Dica: Veja no link abaixo, da revista Nova Escola, entrevista com vários especialistas de diversas áreas da Educação.
http://revistaescola.abril.com.br/entrevista-fala-mestre/

Um bom professor, um bom começo

Hoje, o Todos Pela Educação lança nova campanha, em rede nacional, de mobilização por uma Educação de qualidade para todas as crianças e jovens. O “protagonista” desta campanha, realizada pela agência DM9DDB, do Grupo ABC, é o bom professor.

Com uma animação em stop motion, produzida pela Vetor Zero, para TV , anúncios para jornais e revistas, banners para internet e spots para rádio, a campanha tem como objetivo chamar os brasileiros para uma tarefa muito importante: valorizar o bom professor. Aquele que tem como foco o aprendizado de seus alunos e que transmite para eles não apenas conceitos de sua disciplina, mas também importantes valores para toda a vida!

Valorizar o bom professor é questão prioritária para a melhora da qualidade da Educação em nosso País!

Participe, apóie, valorize!

Mobile learning: a sala de aula pode estar na esquina


Desbloquear a realidade física e fazer dela um imenso laboratório para a aprendizagem. É com essa perspectiva, que à primeira vista pode parecer complexa, que o mobile learning, ou apenas m-learning, vem ganhando espaço na educação.

Gestor de tecnologia educacional e consultor em m-learning, Martín Restrepo explica que esse “desbloqueio” acontece naturalmente quando se expande, com auxílio das TICs (tecnologias de informação e comunicação), as possibilidades de interação entre um aprendiz e os espaços virtual e físico.

O Instituto Claro acompanhou como funciona na prática esta dinâmica durante uma oficina promovida por Restrepo e sua equipe na Cidade do Conhecimento, na USP, e constatou que os participantes da oficina aguçaram a percepção em relação aos elementos do entorno usando celulares com aplicativos de geolocalização e mapas que conversam com um banco de dados. Foram capazes de perceber árvores frutíferas que antes passavam despercebidas, enxergaram “poltrona” em tronco de árvore, descobriram os aparelhos públicos destinados às crianças e, em cada um desses pontos, interagiram por meio da tecnologia: filmaram, fotografaram, gravaram uma mensagem de texto e depositaram esse conteúdo, devidamente tagueado, em um grande mapa da região, disponibilizado a todos os participantes.

“Quando o uso dos recursos tecnológicos está inserido em uma metodologia de aprendizagem coletiva que contempla a criatividade, a curiosidade e a apropriação de diversos espaços e ambientes, consegue-se realizar atividades lúdicas que geram o aprendizado não formal”, afirma Restrepo.

Integrante do Núcleo Educativo do Paço das Artes, instalação da USP onde a parte teórica da oficina foi realizada, Paulo Futagawa participou da oficina e, embora não lide com as novas tecnologias em todos os projetos em que trabalha, concorda com Restrepo e exemplifica outras possibilidades: “Imagine um professor levar uma turma para o Jardim Botânico, pedir que os estudantes tagueem diversas espécies em um grande mapa, geolocalizando aquelas que considerarem mais interessantes ou curiosas e, depois, discutir esse mapa coletivo com toda a turma novamente?”.

Geolocalização da arte

Parceira de Restrepo nas atividades de mobile learning e na Editacuja, onde são sócios, a antropóloga Érica Casado arquitetou também a experiência da interação entre os participantes da oficina com obras da exposição “748.600”, que na ocasião ocupava salões do Paço das Artes. Ao acessar o mapa da exposição no aplicativo WildImage, os usuários, que estavam logados em um sistema onde previamente haviam se cadastrado, tinham na tela do celular a reprodução das obras presentes no salão. Bastava um clique sobre o nome do artista ou da obra e um questionário online era disponibilizado para que os visitantes escrevessem a sua interpretação e enviassem perguntas diretamente para o artista. Seguindo a lógica do compartilhamento, as impressões de todos os visitantes podiam ser partilhadas - inclusive até com quem ali não estava - no mapa, que somente após a intervenção dos usuários passou a ser coletivo. “Mas isso é uma questão de programação do aplicativo. Pode-se usar filtros e optar por não dividir tudo com todos”, explica Casado.

Fonte: Instituto Claro / por Giulliana Bianconi

Sexting: não publique nada na internet que você não mostraria para a mãe, orienta educadora

Ter cuidado com o que se coloca na internet deveria ser a regra. Mas, são cada vez mais comuns os casos de "sexting" (uma junção das palavras sex [sexo] e texting [envio de mensagens]), quando vídeos e imagens com conteúdo sexual vazam na internet ou via celulares. Um caso recente, registrado na cidade de Bom Retiro do Sul (RS), mostra que pais e educadores devem ficar atentos à questão, que pode gerar graves consequências psicológicas para as vítimas. Como fazer para evitar problemas?

Segundo a coordenadora do projeto "Ética e cidadania digital" do colégio Bandeirantes, em São Paulo, Cristiana Mattos Assumpção, o raciocínio é simples: nunca coloque nada na internet que você não mostraria para sua mãe. "É uma informação que vai ficar lá para sempre, [o adolescente] pode se arrepender depois de tê-la colocado lá. Ele tem que lembrar que está num espaço com um público muito amplo", diz.

Ela conta que nem sempre os estudantes "acreditam" na importância da segurança digital. "Quando há notícias na mídia sobre alguém que se expôs demais e comentamos isso em aula, alguns acreditam [no perigo], outros não. Mas nossa esperança é a de que estamos plantando uma sementinha, e que eles vão pensar bem antes de fazer qualquer coisa", diz.

Acompanhamento

O acompanhamento do uso que os estudantes fazem do computador e do celular é a melhor forma de evitar a veiculação de conteúdo inapropriado. Segundo Quézia Bombonatto, presidente da ABPd (Associação Brasileira de Psicopedagogia), os valores passados por pais e professores são decisivos para que os jovens saibam distinguir o quanto podem se expor nesses meios.

Ela explica que os pais devem observar as orientações que estão dando aos filhos, assim como devem observar também a que programas eles assistem e que livros leem, por exemplo. "Por mais que eles escondam, a gente vê [o que os jovens fazem no dia a dia]", diz. A psicopedagoga ressalta, no entanto, que isso não quer dizer que o pai tenha que virar "amiguinho" do filho: "Ele não pode entrar numa de virar amigo do filho, porque senão ele perde a relação de pai. Ele tem que orientar esse jovem, e isso significa, dentre outras coisas, impor limites".

Em desenvolvimento

De acordo com Quézia, no adolescente, o senso crítico ainda não está amadurecido, por isso ele se expõe mais. Ele tem também uma forte necessidade de ser aprovado pelo grupo, fazendo muitas vezes "qualquer coisa" para se distinguir. "Às vezes, se ele não tem como chamar a atenção, ele lança mão de todos os artifícios possíveis, sejam eles positivos ou negativos", diz.

A sexualidade também é outro aspecto que está sendo desenvolvido nessa época. O jovem, segundo a psicopedagoga, pode ter dois comportamentos em relação a isso: ficar retraído em relação ao corpo ou, no outro extremo, querer exibi-lo. Contribui para esse segundo comportamento a excessiva erotização que há sobre o corpo jovem na mídia e na sociedade. "É aí que a família tem que estar por perto", explica Quézia, para que não haja a exposição do adolescente nessa fase "imatura", com um.

Fonte: UOL 12/04/2011

terça-feira, 12 de abril de 2011

Pesquisador do NCE faz coleta de dados no Chile

O jornalista e historiador Cláudio Messias, mestrando em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e pesquisador do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE), foi recebido na quinta-feira (07/04) pelo professor Valerio Fuenzalida, titular da Faculdad de Comunicaciones da Pontificia Universidad Católica de Chile, em Santiago. O encontro durou 50 minutos e teve como pauta parte da coleta de dados do pesquisador brasileiro, que encontra-se em fase de conclusão do texto de sua dissertação. Fuenzalida é um dos pioneiros nos estudos sobre recepção televisiva na América Latina, com atuação mancante na década de 1980, quando colaborou para organizar, no Chile, dois dos quatro Encontros Latino-americanos de Educación para a Televisión, promovidos sob os auspícios da UNESCO. Os outros dois ocorreram em Curibiba e em Buenos Aires. Messias é orientado, no mestrado, pelo professor Ismar de Oliveira Soares, titular na ECA/USP. O brasileiro entregou a Fuenzalida um exemplar da edição mais recente da revista Comunicação & Educação, além de estreitar a relação de diálogo entre o NCE e pesquisadores do Chile. Como contribuição para a pesquisas brasileiras, o professor chileno repassou o texto Educación para a Comunicación Televisiva, de sua autoria, contextualizando a maneira como a relação Comunicação/Educação vem sendo focada em seu país. Este artigo foi publicado na revista Interación, de Bogotá, Colômbia, em junho de 2010.

Desde 2006, a Universidad Catolica de Santiago mantém o grupo de pesquisa "Evaluación de la Educación em Medios de Comunicación en Chile: una Propuesta de Criterios para la Formación Continua de Profesores de Lenguaje e Comunicación", coordenado pela professora doutora Mar de Fontcuberta. Também integram o projeto os professores Francisco Fernández, Myrna Galvez e Rayén Condeza.

A Universidad Católica de Santiago está na dianteira das pesquisas envolvendo a relação Comunicação/Educação no Chile. Valerio Fuenzalida reconhece, contudo, que o Brasil, mais especificamente a USP, detém formalmente os méritos da constituição do novo campo. Segundo o pesquisador chileno, a tendência é que o curso de Educomunicação, cujo pioneirismo é da Universidade de São Paulo, torne-se realidade, nos próximos anos, na maioria das universidades latino-americanas.

Além da Universidad Católica, Messias visitou a Universidad de Santiago do Chile (Usach) e a Universidad de Chile, ambas instituições públicas, tendo obtido acesso a registros relacionados a seu objeto de pesquisa.

O projeto de dissertação de Cláudio Messias tem como título: "Duas Décadas de Educomunicação: da Crítica ao Espetáculo" e objetiva observar a maneira como pesquisadores brasileiros das Ciências da Comunicação apropriaram-se do termo "Educomunicação" em suas práticas, sejam elas científicas ou não. Na visita a Santiago, na semana passada, o pesquisador brasileiro completou coleta de dados referente ao histórico de apropriação da relação Comunicação/Educação na América Latina.

No caso específico do Chile, o foco de pesquisa está voltado aos estudos do Centro de Indagación y Expresión Cultural y Artística (Ceneca), criado em 1977 e reconhecido como um dos pioneiros nos estudos de recepção sobre o impacto da televisão enquanto meio massivo de comunicação. Neste capítulo da dissertação também há entrevista com o professor mexicano Guillermo Orozco Gómez, da Universidad de Guadalajara, feita em 2009.

Fonte: NCE/ECA/USP

segunda-feira, 11 de abril de 2011

“Mediaeducação”, objeto de debate na revistapontocom

A Revistapontocom dá início a uma série de debates com especialistas brasileiros sobre “mediaeducação”. A primeira entrevista foi publicada no dia 7 de abril, tendo sido dado a palavra para a professora Nilda Alves, da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Além de vários livros publicados, a professora coordena o Laboratório Educação e Imagem e, pelo CNPq, o grupo de pesquisa Currículos, redes educativas e imagem.

Para a OSCIP Planetapontocom, midiaeducação é um conceito que se traduz em um trabalho educativo sobre os meios, com os meios e através dos meios. Sobre os meios, refere-se ao estudo e análise dos conteúdos presentes nos diferentes meios e suas linguagens. Com os meios, trata-se do uso dos meios e suas linguagens como ferramenta de apoio às atividades didáticas. E através dos meios, diz respeito à produção de conteúdos curriculares para e com os meios, em sala de aula e, também, à educação a distância ou virtual, quando o meio se transforma no ambiente em que os processos de ensino-aprendizagem ocorrem.

O site promete novos debates com Anna Helena Altenfelder, Afonso Albuquerque, Paulo Carrano, Ismar de Oliveira Soares, Regina de Assis, Rosália Duarte, Eduardo Monteiro, Inês Vitorino, Mônica Fantini, Gilka Girardello, Rita Ribes e Guaracira Gouvêia.

Leia a íntegra da entrevista com Nilda Alves: http://www.revistapontocom.org.br/destaques/midiaeducacao-em-debate?utm_source=revistapontocom&utm_campaign=9d69043c86-Newsletter_2_Abril_2_44_9_2011&utm_medium=email

Fonte: ECA/USP e Revista PontoCom