terça-feira, 1 de maio de 2012

Livro "Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo! Sistematização da Experiência em Educomunicação" está disponível para download

O livro Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo! Sistematização da Experiência em Educomunicação, publicado pelo Unicef em 2010, com organização de Mário Volpi e Ludmila Palazzo, está disponível para download.

A obra trabalha com o conceito de Educomunicação e apresenta experiências relacionadas com o projeto "Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo!".



Compartilhamos abaixo a Introdução! 


Introdução

Conceito
A relação entre os campos da educação e da comunicação não é exatamente nova. O educador Paulo Freire considerava, por exemplo, os dois processos semelhantes. Para ele, comunicar era uma atribuição básica do educar. O educar seria, então, uma comunicação específica. Paulo Freire afirmava que o verdadeiro objetivo da educação é “transformar o mundo”. Aprender a ler é aprender a entender o mundo, isto é, ter acesso aos tesouros de toda a literatura, a todo conhecimento produzido e registrado de forma escrita. E aprender a escrever significa mudar esse mundo, isto é, imprimir nele sua própria experiência, seu ponto de vista, sua opinião. Uma vez comunicada esta palavra, o mundo já não é mais aquele de alguns instantes atrás: sua ação já agiu sobre ele, já o mudou. 

Já a origem do termo ”educomunicação” é recente e está ligada a pesquisadores latino-americanos, que designam práticas pedagógicas ligadas à formação dos indivíduos frente à manipulação da mídia de massa. No final dos anos 90, uma pesquisa com especialistas de 12 países da América Latina identificou a educomunicação como um “conjunto de ações inerentes ao planejamento, implementação e avaliação de processos, programas e produtos destinados a criar e fortalecer ecossistemas comunicativos em espaços educativos...” 

Um desses especialistas, Jesús Martín-Barbero, definiu a educomunicação como “um processo educativo que permite aos alunos apropriarem-se criativamente dos meios de comunicação; integrar a voz dos estudantes ao Ecossistema Comunicativo da escola e, em última instância melhorar a gestão do ambiente escolar com a participação dos educandos”. 
Segundo um dos principais estudiosos do assunto no Brasil hoje, o professor Ismar de Oliveira Soares, coordenador do Núcleo de Comunicação e Educação (NCE) da Universidade de São Paulo (USP), a educomunicação absorve os fundamentos dos tradicionais campos da educação, da comunicação e de outros campos das ciências sociais. 

Historicamente, algumas linhas de estudo dentro da educomunicação têm se destacado. O professor Ismar de Oliveira Soares destaca as seguintes linhas que compõem a educomunicação: 


Linhas da Educomunicação

  • Área da “mediação tecnológica na educação" (information literacy): Área relativa à incidência das inovações tecnológicas no cotidiano das pessoas, assim como o uso de ferramentas da informação nos processos educativos, sejam presenciais ou à distância. A reflexão aqui deve ultrapassar a abordagem instrumentalista do uso das tecnologias, mas considerar as influências sociais e comportamentais das mídias.


  • Área da "educação para a comunicação" (media literacy): Também conhecida como educação para os meios. Diz respeito aos "estudos da recepção" e volta-se para as reflexões em torno da relação entre elementos do processo de comunicação (os produtores, processo produtivo e a recepção das mensagens, por exemplo). 


  • Área da gestão comunicativa: Trata-se de um campo voltado para o planejamento e para a execução de políticas de comunicação educativa. As práticas da gestão comunicativa buscam convergências de ações sincronizadas em torno de um objetivo: ampliar o coeficiente comunicativo das ações humanas, - como a ampliação dos espaços de expressão. (SOARES, Ismar de Oliveira. Caminhos da Educomunicação na América Latina e Estados Unidos) 


A educação para mídia ou mídia educação é uma convergência desses conceitos e contempla ações de cunho pedagógico que fornecem ao indivíduo instrumentos voltados ao fortalecimento da capacidade de avaliar criticamente os conteúdos midiáticos. A educação pela e para comunicação como conceito traz alguns princípios semelhantes e também define a possibilidade de trabalho de crianças e jovens nessas duas áreas.  


É possível afirmar que a educomunicação não está sozinha nas áreas acadêmica e prática. No Brasil e no mundo, existe uma diversificação constante das ações e conceitos de educação neste campo. Ou seja, a educomunicação não é uma metodologia fechada, mas um conjunto de metodologias que têm como objetivo a independência e autonomia de adolescentes e jovens por meio do acesso ao direito à comunicação. A ideia da educomunicação é, portanto, colocar os meios de informação a serviço dos interesses e necessidades dos educandos, garantindo a todos o direito à livre expressão e o acesso às tecnologias da informação.


Acesse a obra completa pelo link: http://www.unicef.org/brazil/pt/br_educomunicacao.pdf

Um comentário:

  1. Ninguém pode educar sem comunicar. Estas iniciativas são muito boas e este livro pode ser usado por educadores de Colegios privados , escolas públicas e até pelos pais.

    ResponderExcluir