segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Escolas e professores se rendem aos celulares e outras mídias eletrônicas


Popularização de eletrônicos faz instituições de ensino e educadores reconhecerem que fenômeno não tem volta e a desenvolverem estratégias para lidar com ele

Com estudantes cada vez mais conectados à internet, as escolas de Belo Horizonte enfrentam desafios para administrar o fenômeno da proliferação de smartphones, tablets e outros gadgets. A pergunta que está longe de obter uma resposta consensual é: liberar ou proibir o uso de celulares e outros itens da lista de parafernália eletrônica na escola? É por meio deles que os alunos usam o tempo todo as redes sociais. Mas essas mídias também são usadas por professores para se aproximarem do universo dos jovens e facilitar a troca de informações, pesquisas e outras atividades.

Dentro de sala de aula, o uso de celular é proibido em Minas por lei estadual desde 2002, mas, no intervalo, o uso é livre. E o que se vê é que professores e diretores das instituições de ensino estão cada vez mais criando perfis nas redes sociais para interagir com os alunos e, ao mesmo tempo, fiscalizar.

O Colégio Santo Antônio, por exemplo, mantém perfis no Facebook e Twitter e, assim, promove uma aproximação com o universo acessado pelos alunos. Lá há professores que usam os smartphones dentro da sala como auxiliares na forma de ensinar; outros proíbem radicalmente, sob pena de advertência para os estudantes que não acatarem a restrição.

“Nosso entendimento é de que os professores ainda não tiveram um preparo para lidar com a situação, mas conseguem se resolver”, afirma Cristine Oliveira, programadora pedagógica da escola e também professora. Seja como for, no horário de prova é lei: os alunos são obrigados a deixar os aparelhos na frente da sala, bem longe dos olhos e das mãos.

Daniele Passagli, supervisora pedagógica na rede de ensino Coleguium, diz que o trabalho com os alunos tem que ser diário. “Temos que conscientizá-los de que eles não podem usar em sala, mas os professores motivam o uso das redes sociais. Eles discutem sobre os temas pelo Facebook, Twitter, trocam mensagens, mas dentro de sala vemos que é tentador para os alunos”, afirma.

A rede nunca pensou em restringir totalmente os celulares nas escolas, mas, segundo Daniele, quem infringe as normas pode receber advertência e até ter o aparelho recolhido e entregue somente aos pais. “O uso do celular afeta o desenvolvimento do aluno, quebra a linha de raciocínio, a concentração na aula é menor, ele não acompanha com a eficiência devida”, alertou Daniele.

O coordenador de Marketing, Tecnologia e Comunicação do Colégio Salesiano, Fabrício Sabino Carvalho, explica que na biblioteca da escola os alunos têm acesso ao Skype e Hotmail. Por meio da rede wireless da instituição, outras redes sociais são bloqueadas. A escola nunca pensou em radicalizar: a ideia é tentar conscientizar sobre o uso das novas mídias. “Muitas vezes, eles trazem o notebook para apresentar um trabalho, fazem vídeos pelos celulares para alguma disciplina, e isso achamos que é benéfico. Por outro lado, hoje, meninos de 11 anos usam as redes sociais e escrevem sem pensar. Nós alertamos sobre o uso e os riscos”, afirmou.

On-line cada vez mais cedo

Estudo feito este ano pela Ong Safernet, especializada em segurança no ambiente virtual, com base na pesquisa “Nós, jovens brasileiros”, investigou aspectos do perfil dos mais de 10 mil entrevistados de 13 a 17 anos, ouvidos sobre uso da internet. O trabalho identificou que a maioria dos que disseram ter se relacionado com pessoas que conheceram na rede são de classe social AB e têm de 13 a 14 anos.

O diretor de prevenção da organização Safernet, Rodrigo Nejm, chama a atenção para a função da família diante desse quadro e lembra que adolescentes a partir de 12 anos já receberam na Justiça punições cabíveis para a idade por causa de perfis falsos nas redes sociais e ofensas a colegas. “Os pais precisam se lembrar de que eles podem ser responsabilizados. A internet não é mais uma terra sem lei e eles têm o compromisso de ensinar os filhos a usar esse recurso com cuidado”, afirmou.

O trabalho de pais e educadores, alerta, tem que ser constante. “A internet é um espaço público. O Facebook é como se fosse uma praça, um clube que reúne mais de 1 bilhão de pessoas, e é preciso ter cuidado nesse ambiente. Ele reflete um mundo com todas as oportunidades e perigos, onde há pessoas mal-intencionadas, conteúdo impróprio e adultos que fingem ser crianças para cometer violência. As leis que valem para esse ambiente são as mesmas de fora dele”, adverte.

ANTES DE CAIR NA NET
Adote medidas simples para que você ou seu filho não virem vítimas das redes sociais
– Não poste fotos ou informações pessoais
– Não responda a provocações nem ofenda outras pessoas
– Muitos links trazem códigos de programas maliciosos e, por isso, não devem ser abertos. Só clique no que pode confiar
– Se tiver o perfil roubado, clonado ou sofrer difamação imprima tudo o que possa servir como prova e procure um advogado
– Denuncie o abuso ao site de relacionamento
– Não exiba imagens suas ou do ambiente em que se encontra a estranhos
– Não abra sua webcam para desconhecidos. Você pode colocar um criminoso dentro da sua casa. Além disso, nunca se sabe para onde essas imagens serão enviadas
– Dê preferência a sites com final .com.br
– Não permita que seu filho acesse salas de bate-papo sem o acompanhamento devido. Navegue com ele alguns minutos por dia. Conheça os ambientes virtuais que ele frequenta
– Aconselhe seu filho a não transmitir informações pessoais como nome, endereço, escola em que estuda, e a nunca distribuir fotos pela internet
– Oriente seu filho a não receber nem executar arquivos de pessoas desconhecidas e conheça as pessoas com as quais ele se relaciona
– Não permita que seu filho marque encontros com pessoas que ele conheceu na internet
– Evite acomodar o computador no quarto ou em lugares isolados da casa. Dê preferência a lugares com circulação de pessoas
– Estabeleça regras e limites para o uso da internet de acordo com a idade do seu filho
Fonte: SaferNet (www.safernet.org.br)

Foi vítima? Denuncie
– Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos: (31) 3330-8401 ou pelo e-mail crimedigital@mp.mg.gov.br
– Navegue pelo www.safernet.org.br, saiba como denunciar e obtenha outros esclarecimentos

Fonte: Estado de Minas (em.com.br)
Patrícia Giudice 18/11/2012 Atualização: 07h02 

Nenhum comentário:

Postar um comentário