quinta-feira, 31 de outubro de 2013

II Congreso Internacional Educación Mediática y Competencia Digital


Congreso competencia.png









La Red Educación Mediática y Competencia Digital prepara la segunda edición de este congreso internacional. La cita será en Barcelona los días 14 y 15 de noviembre de 2013 y, tendrá como institución anfitriona es la Universitat Oberta de Catalunya. Bajo el lema 'Ludoliteracy, creación colectiva y aprendizajes'el evento se propone ser punto de reflexión y debate sobre los retos y las nuevas posibilidades que presenta la educación mediática. El objetivo es crear un espacio en el que compartir ideas y experiencias, discutir y presentar investigaciones o nuevas propuestas. Todo ello se organizará en torno a seis ejes temáticos:
  1. Usuarios alfabetizados: competencias participativas y transmedia 
  2. Contextos y audiencias 
  3. Creatividad e interacción social: dinámicas y metodologías de participación y colaboración  
  4. Ludoliteracy 
  5. Educación mediática en entornos formales y no formales: situación actual, experiencias y perspectivas de futuro 
  6. Activismo y participación en contextos educomunicativos. 
A través de la web de la Red Educación Mediática y Competencia Digital se irán avanzando todas las novedades de esta segunda edición del Congreso.    

Expertos avanzan en el diseño de un marco común de indicadores de Alfabetización Mediática en la Unión Europea

la foto (3).JPG
El grupo de expertos de Alfabetización Mediática (ML por sus siglas en inglés) de la Comisión Europea inició este 24 de octubre el diseño de un marco común de indicadores sobre ML para Europa, que deberá entrar en vigor en 2014.
El director del Gabinete de Comunicación y Educación, José Manuel Pérez Tornero, presentó allí las líneas de investigación y proyectos del grupo de la Universidad Autónoma de Barcelona; así como las perspectivas de desarrollo para la creación de este marco de indicadores.
Los expertos diseñaron una estrategia para el fomento de estos indicadores, y debatieron sus bases conceptuales y metodológicas. En este marco, propusieron recuperar los avances de cada uno de los actores participantes, reconocer buenas prácticas y fomentar la diversidad en la aplicación del marco de indicadores, teniendo en cuenta las especificidades de cada nación.
Este cuadro mínimo de indicadores compartidos deberá ser claro, sencillo, breve y práctico, según los expertos, y estará enfocado al  desarrollo de comparaciones y políticas comunes. El objetivo final es organizar acciones de fomento de la ML, sobre la base común de conocimientos y de experiencias compartidas tanto en el área de la Educación formal, a través de los curríuculos, como en otras áreas.
En cuanto a las definiciones, el grupo propuso integrar las propuestas europeas sobre alfabetización que habla de Alfabetizaciones Múltiples, como el concepto convergente de Media and Information Literacy,  que ha sido propuesto por la UNESCO y desarrollado ampliamente en el currículo para profesores.
Un  primer equipo de trabajo se constituirá a partir de los estados más implicados y motivados hasta el momento, con la finalidad de promover las bases comunes y extender y dinamizar las tareas relacionadas con la ML en el marco de la Unión.
Este primer equipo será coordinado directamente por Matteo Zachetti, jefe de la Unidad de Media Literacy de la Comisión Europea, y estará integrado por los siguientes países: Alemania, Austria, Bélgica, Dinamarca, Eslovaquia, España, Holanda, Letonia,  Portugal y Rumanía. Se reunirá cada tres meses, aproximadamente, y tratará de difundir sus avances al resto de países miembros.
El grupo aprobó también la metodología de trabajo, basada en el intercambio de experiencias, y la creación de una línea de investigación compartida, que permitirá el aprovechamiento de los recursos disponibles, la creación de sinergias y la cooperación. El foco de las investigaciones en este marco serán las aproximaciones longitudinales a los procesos, para valorar la evolución y recorridos a lo largo del tiempo.
Los expertos concluyeron que Europa ha realizado grandes avances en materia de indicadores de ML: muchos expertos trabajan en el seguimiento constante de los niveles de desarrollo de la ML. Esto constituye una base hacia el desarrollo de un marco común. Sin embargo, añadieron, no se cuenta aún con indicadores trasnacionales para establecer comparaciones y estándares entre los países del área.
Los expertos reconocieron también antecedentes válidos para una valoración común a todos los países de la zona en materia de ML.
Los indicadores del Eurostat se reconocen como aquellos que más aportan a la evaluación del uso de los medios por parte de los ciudadanos, pero no recogen las dimensiones de uso crítico y habilidades comunicativas para la participación. igualmente, los indicadores sobre el acceso al uso de las TIC en la educación, especialmente los desarrollados a nivel europeo por European Schoolnet  -Informes sobre paísesEstudios comparativos-, contribuyen a un diagnóstico sobre la ML en el aula, pero son insuficientes para valorar su desarrollo en el currículo o la disponibilidad de recursos didácticos sobre el tema.
Además de José Manuel Pérez Tornero, como representante del Gabinete de Comunicación y Educación de la Universidad Autónoma de Barcelona, participaron  en la reunión además expertos de toda Europa: Rodica Anghel del National Audiovisual Council; Peter Behrens, de Landeszentrale für Medien und Kommunikation Rheinland-Pfalz (LKM); Mary Berkhout, de Mediawijzer.net; Carmen Buró, del programa Mucho Mas Que Cine; Paolo Celot, de EAVI; Hugo Gillebaard de Dialogic; Tone Gunhild, de  Haugan Medietilsynet; Renate Holubek, Bundesministerium für Unterricht, de Kunst und Kultur; Michael Kaden del Ministerium für Bildung; Jugend und Sport des Landes Brandenburg; Alexandra Lorena Gabinete para os Meios de Comunicação Social; Gintare Miciuliene Ministry of Culture of the Republic of Lithuania; Agnieszka Horak Permanent Representation of Poland, Alison Preston OFCOM; Thomas Rathgeb, de la Landesanstalt für Kommunikation Baden-Württemberg (LFK); Katia Segers Vrije, de la Universiteit Brussel; Dietmar Schipek, de Loop Media y Norbert Vrabec, de la Faculty of Mass Media Communication, University of Ss. Cyril and Methodius in Trnava.
A nivel europeo se ha reconocido la importancia de desarrollar este marco común de indicadores: por ejemplo, con la promulgación de la AUDIOVISUAL MEDIA SERVICES DIRECTIVE (AVMS), en varias recomendaciones (COMMUNICATION ON MEDIA LITERACY COM(2007)833),  COMMISSION RECOMMENDATION C(2009)6464,  y esta  resolución específica del Consejo de Europa. 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

RTVE lanzará Radio Clan, dirigida a los niños

_clan_tv_381ca537RTVE prepara el lanzamiento de una radio dirigida a los niños. Se llamará Radio Clan, como el canal hermano de televisión, y se podrá escuchar tanto por internet como en móviles y tabletas.
El proyecto está pensado para la franja de edad de 0 a 12 años en el que han trabajado profesionales de Clan TV, Radio Nacional y RTVE.es, según informaron a Servimedia fuentes de la corporación pública.
“Será una radio con un claro objetivo de servicio público, basada en el entretenimiento educativo”, explican desde sus estudios. “Una radio para atraer a los oyentes más jóvenes allí donde están de forma natural, en los medios interactivos”.
En la nueva frecuencia, que podría estrenarse a finales de este año, los niños podrán encontrar a sus personajes favoritos de Clan TV, programas en los queaprenderán sobre los distintos estilos de la música y una parrilla en la que también aparecerán los idiomas.

“O jornal impresso não precisa sobreviver”

Caio Túlio Costa

Caio Túlio Costa, nasceu na cidade mineira de Alfenas em 1954. Jornalista, professor, doutor em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da USP, executivo na área de comunicação digital e Visiting Research Fellow na Columbia University Graduate School of Journalism, em Nova York. Caio Túlio trabalhou durante 21 anos no jornal Folha de S. Paulo onde foi editor, secretário de redação, correspondente na Europa, baseado em Paris, diretor de revistas e pioneiro nos investimentos do jornal em internet. Foi ainda escolhido o primeiro ombudsman da imprensa brasileira ainda na Folha. Em maio de 2006 assumiu o cargo de presidente do Internet Group, braço de internet da Brasil Telecom, que controlava os portais e provedores iG, iBest e BrTurbo. Deixou o iG em janeiro de 2009 depois que a empresa foi adquirida pela Oi. Para o Panorama Mercantil, o jornalista afirma que a data mais provável para o fim dos jornais impressos é 2044.

O senhor acredita, que 2027 seja mesmo a data da morte dos jornais impressos?Absolutamente não. A data mais provável é 2044.
Muitos jornalistas dizem que a função do jornal hoje é mais analítica. Mas se uma empresa online fizer esse papel com qualidade e competência, qual será a saída para o impresso sobreviver?
O jornalismo se faz em qualquer meio de comunicação, seja online ou offline, eletrônico ou impresso. Uma das funções do jornalismo, além de noticiar, é mesmo analisar, comentar, ilustrar, didatizar, vulgarizar (no bom sentido). Isto pode ser feito em qualquer suporte. O jornal impresso não precisa, necessariamente, sobreviver. O que precisa e vai sobreviver, porque a sociedade necessita desta mediação, é o jornalismo. Um jornalismo independente, abrangente, crítico em relação aos centros de poder – políticos ou econômicos. Não importa qual suporte o abrigue.
Por que a mídia tem tanta dificuldade de debater a própria mídia e seus excessos?
Tem mesmo? Esta entrevista não está fazendo isso? O seu site não é mídia? Você já viu o Observatório da Imprensa? A Folha não tem Ombudsman para analisar seus excessos? Por que esta generalização? – pergunto eu.
Como um dos criadores do UOL, o maior portal do Brasil, acredita que será a internet depois da web 2.0?
Considero limitadora a definição de web 2.0. O meio digital vai continuar crescendo e criando inúmeras oportunidades de publicação e de interação. Basta ficar atento e acompanhar a evolução tecnológica, seja como consumidor passivo seja como desenvolvedor – mas disposto a investir. Qualquer empresa, instituição ou indivíduo que estiver atento, focado e disposto a investir, tem tudo para se dar bem no meio digital.
Na França, todos que acompanham a mídia de uma forma geral, sabem que o jornal “Le Monde” é de centro-esquerda e o “Le Figaro” é conservador. Por que no Brasil, os grandes veículos ainda tem tanta dificuldade de falar que tem um lado, sobretudo um lado político?
No Brasil todos leitores sabem que a Folha é mais liberal, que o Estadão é conservador, que a Veja é conservadora, que a Carta Capital é de esquerda. Não procede a sua dúvida.
Qual seria o limite do jornalista na busca de informações, ou desde que essa busca seja legal, não existe limites?
Escrevi um livro inteiro para tentar dar conta disso, o “Ética, Jornalismo e Nova Mídia – Uma moral provisória”. Receio não ter dado conta. Os limites são os limites morais, e eles deveriam ser muito mais fortes do que os legais.

Ombudsman da Folha
Pioneirismo: Ombudsmans da Folha de S.Paulo nos últimos 22 anos. Caio Túlio Costa foi o primeiro ombudsman da imprensa brasileira e consequentemente o primeiro do jornal da família Frias (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

Muito se tem falado nos últimos anos, sobre o controle social da mídia. Como enxerga esse tema?
Acho que já existe este controle. Um jornal, uma revista, uma rádio ou um canal de TV estão sempre sob controle social. Quando alguém deixa de comprar um jornal ou muda o canal de TV está realizando este controle, está tirando o mandato que deu ao veículo para informá-lo. O que se tentou, ou se tenta fazer no Brasil, é o controle ideológico da mídia, o que é inaceitável e contrário à liberdade de expressão.
Existe liberdade de imprensa no país, ou isso é um privilégio apenas dos donos dos veículos de comunicação?
Este seu site de entrevistas é uma resposta para isso. Você não tem liberdade de imprensa para entrevistar e publicar o que acha relevante? Se não houvesse liberdade de imprensa isso seria possível? É claro que existe plena liberdade de imprensa no Brasil e a proliferação de sites, blogs e posts nas redes sociais são provas contínuas disso. Há exceções? Há juízes que censuram a imprensa? Previamente até? Há. Mas há mecanismos jurídicos para contestar isto e ser contestado.
O que deve ser feito para que tenhamos uma imprensa alternativa pujante no país?
É só ter quem tenha vontade de fazê-la. Há fenômenos midiáticos – como o Mídia NINJA, por exemplo – que se encaixam numa ideia de modelo alternativo. A web é um celeiro para isso. Basta querer fazer. Tem muito blogueiro alternativo por aí.
Muitos profissionais diplomados criticam veementemente e até desmerecem quem não tem um diploma de jornalismo. Afinal, o jornalista precisa ter diploma para exercer a sua atividade?
Não necessariamente. Mas se tiver um diploma universitário, qualquer um, vai estar – teoricamente – mais preparado do que quem não o tem. O jornalismo é um ofício e, enquanto tal, quanto mais preparada estiver a pessoa para exercer este ofício, melhor.
A jornalista Suzana Singer, nos disse que o jornalismo colaborativo, não substituirá o tradicional. O senhor concorda com ela, ou acredita em algo que possa juntar essas duas formas de comunicação?
Falsa questão. O jornalismo passa por transformações. Não há oposição nestes dois pontos. Nem necessariamente eles precisam andar juntos. (Fonte: Panorama Mercantil/ Entrevista realizada por Eder Fonseca - 30/10/2013)

9 de cada 10 niños mayores de 15 años en España tienen un teléfono móvil


Teenage girls using cell phones9 de cada 10 niños mayores de 15 años en España tiene teléfono móvil y el 94% usa internet, según la encuesta sobre equipamiento y uso de las TIC en los hogares, publicada por el INE.
Sin embargo, a pesar de que la proporción de uso de las tecnologías por parte de los menores del país es “muy elevada”, se ha producido una reducción en el porcentaje de menores con teléfono móvil de 2,8% respecto al año anterior.
En el caso de los jóvenes y adultos con edades comprendidas entre 16 y 74 años, el porcentaje de usuarios de ordenadores se ha mantenido en el 72% de la población que ya mostraba la encuesta en 2012, pero ha crecido en más de un 2% el número de usuarios de internet respecto al año pasado.
También destaca el aumento en un punto del porcentaje de usuarios de tiendas de comercio electrónico, hasta situarse en el 22,7%, ya que cerca de 13 millones de españoles han realizado operaciones de comercio electrónico alguna vez.
En cuanto a los conocimientos sobre el uso de internet, el 88,2% de los encuestados ha declarado ser capaz de comunicarse con amigos, familiares o compañeros de trabajo online. A pesar de esto, tan sólo el 54,6% afirma saber cómo proteger su información personal en la red o proteger su ordenador de virus o infecciones informáticas, un 54,3%.
Por otra parte, el porcentaje de hogares españoles con acceso a la red ha crecido un 3,2% desde el año pasado hasta alcanzar el 69,8% en 2013.Después de la banda ancha o ADSL, que utiliza el 68,9% de los hogares, el medio más utilizado por los españoles para conectarse a internet desde sus hogares es la conexión a través de dispositivos móviles con banda ancha con un 47,2%, seguido de la conexión de cable o fibra óptica con un 18,9% y los módem o tarjeta USB con un 8,6%.
Por comunidades autónomas, no existen grandes diferencias en el uso de teléfonos móviles, aunque en el uso de internet sobresale la Comunidad de Madrid, en la que el 80,1% de la población ha utilizado la red en los últimos tres meses, seguida de Ceuta con un 76,9%, País Vasco con un 76,6% y las Islas Baleares con un 75,8%. En los últimos puestos aparecen Melilla con un 55,1%, Galicia con un 65,3% y Extremadura con un 65,7%.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

ABPeducom realiza Assembleia Geral durante V Encontro de Educomunicação


O cansaço de um dia de atividades no V Encontro de Educomunicação não desmotivou a participação de um grande número de associados à ABPeducom na assembleia geral extraordinária, realizada na noite da sexta-feira, 20. Pelo contrário, as trocas e aprendizagens de um dia de palestras, oficinas e painéis motivou profissionais e pesquisadores dae educomunicação que, com alegria e envolvimento, contribuíram para diálogos e votações importantes para o futuro da Associação. 

Entre as pautas, a aprovação da criação de Polos Regionais e a criação de um grupo de trabalho que acompanhará esse processo, apresentando uma proposta de como os polos podem operar, respeitando as diferenças regionais. 

Entre outros encaminhamentos, a presidência da ABPeducom indicou a jornalista Lilian Romão, diretora executiva da Ong Viração, para assumir o cargo de secretária financeira da Associação, função desempenhada até o momento pela jornalista Cristina Uchôa, que solicitou desligamento do cargo por questões pessoais. A professora Antônia assumiu, também por indicação da presidência, os trabalhos de comunicação, substituindo a jornalista Cristiane Parente, que se mudará do Brasil para desenvolver pesquisas acadêmicas. A próxima assembleia da ABPeducom acontecerá em abril do próximo ano.

Fonte: Agência Jovem de Notícias (
Por Evelin Haslinger, Virajovem de Porto Alegre – RS )

Documentário sobre o V Encontro Brasileiro de Educomunicação disponível no site da Fundhas

Os Jovens educomunicadores da Fundhas que estiveram em São Paulo, nos dias 20 e 21 de setembro, assistidos pelo professor Flávio Messias, realizando a cobertura do V Encontro Brasileiro de Educomunicação, promovido, no espaço da FAPCOM, pelo NCE/USP, Licenciatura em Educomunicação da ECA e pela ABPEdcucom, apresentam, agora, o resultado final de seu trabalho.

Trata-se de uma matéria especial, de oito minutos, que dá uma visão panorâmica do que vem acontecendo, no Brasil, no que diz respeito às experiências educomunicativas.

Entre os entrevistados encontram-se a jornalista Lúcia Araújo, do Canal Futura; Cíntia Boll, do MEC; Andressa Teresa Ruiz; Diego Pires Rodrigues; Ana Carolina Costa Silva; Helena Saria Müller e Ismar de Oliveira Soares.



Confira o resultado deste trabalho no blog Educom.Fundhas!

Fonte: Blog da ABPEducom (http://www.abpeducom.org.br/2013/10/documentario-sobre-o-v-encontro-esta.html)

Pelo direito de sonhar e caminhar, sempre...

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Los medios tradicionales tiemblan ante la subida del 27% de la inversión publicitaria en digital

adsLa publicidad está pasando por una época de grandes cambios. Los “marketeros” están redireccionando sus gastos en publicidad hacia los nuevos y lucrativos medios digitales, lo cual está haciendo tambalearse la ordenación publicitaria tradicional.
Un estudio de Nielsen ha llegado a la conclusión de que el gasto en internet display ha crecido un 27%con respecto a las cifras del mismo periodo del año pasado. A pesar de este crecimiento de la publicidad en medios digitales, la televisión sigue siendo el medio preferido por los anunciantes para publicitarse.
La televisión recibe un 57,6% del total de la inversión publicitaria, además de haber crecido un 4,2% con respecto al año pasado. Otro medio que también ha crecido ha sido la publicidad exterior con un incremento del 5%, alcanzando el 18,9% de la inversión total en publicidad.
El resto de medios tradicionales han mostrado un ligero descenso: el gasto en publicidad en medios impresos ha descendido un 2%, en radio un 0,9% y la publicidad en el cine ha bajado un 5,9%.
Los “marketeros” están estudiando los nuevos hábitos de los consumidores para escoger los mejores medios para alcanzar a unos usuarios que están cambiando su manera de consumir contenidos, y estos cambios se reflejan en las cuentas publicitarias de los anunciantes. 

Sistema internacional reúne informações sobre games e aplicativos

Por Marcus Tavares
O Ministério da Justiça, por meio do Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação (Dejus), vai anunciar nesta semana, durante a programação do evento Brasil Game Show, em São Paulo, a criação do International Age Rating Coalition (IARC), entidade internacional que tem o objetivo de operar, por meio de um sistema digital on-line, uma classificação mundial de jogos e aplicativos digitais, contemplando as peculiaridades das legislações locais e favorecendo a dinâmica e agilidade do mercado. A ideia é facilitar o processo de obtenção de classificação indicativa dos produtos e orientar, com informações, pais e responsáveis. O IARC (Coalizão Internacional de Classificação Etária, em português) envolve a participação de 36 países. O Brasil agregou-se à ideia desde o princípio, passando pelo desenvolvimento do sistema, que contempla os critérios brasileiros, ao lançamento.
Por meio de um formulário online preenchido em poucos minutos e apenas uma única vez, o desenvolvedor obtém a classificação indicativa oficial, válida para todos os países participantes do projeto. No Brasil, a exigência da exibição da classificação indicativa nos jogos e aplicativos já existe de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente e com a Portaria do Ministério da Justiça nº 1.643/2012. Agora, será preciso se adaptar ao novo sistema.
As empresas que ainda não exibem deverão procurar o Ministério da Justiça para discutir, de acordo com suas capacidades técnicas, seu plano para regularizar a situação. As empresas e lojas virtuais – voltadas para o público brasileiro – que se recusarem a regularizar a situação – expondo os símbolos e informações da classificação indicativa brasileira nos jogos – serão denunciadas pelo Ministério da Justiça ao Ministério Público para as devidas providências. As empresas e lojas que já cumprem com a legislação deverão procurar o Ministério da Justiça para apresentar suas condições técnicas e discutir planos individuais de adequação à nova plataforma.
Classificação oficial

De acordo com o Dejus, o IARC terá cobertura em 36 países como sistema de classificação oficial, mas desenvolvedores de outros países também poderão usá-lo. Um desenvolvedor de qualquer país poderá acessar o sistema quando quiser lançar seu aplicativo em um dos 36 países, como Brasil e EUA. Assim, se o game for colocado à venda em loja virtual destinada ao público brasileiro, terá que trazer os símbolos e os descritores da classificação indicativa brasileira e, é claro, a partir dos critérios que estão no Guia Prático da Classificação Indicativa. 
O sistema IARC foi criado para ser implementado pelas distribuidoras de conteúdo digital (lojas de aplicativos, sistemas operacionais) e usado pelos desenvolvedores/empresas de jogos e aplicativos na hora em que forem lançar seus produtos.
Mais informação para os pais
O IARC foi criado para que o direito de pais e responsáveis em obter informação segura sobre os jogos/aplicativos a que seus filhos têm acesso seja preservado mesmo no novo cenário de distribuição digital e global de produtos. Os mecanismos anteriores de classificação, tinham como alvo poucos produtos vendidos em cartuchos, DVDs e congêneres – não eram ágeis ou abrangentes o bastante para lidar com o enorme volume de produtos digitais da realidade atual. Além disso, o ambiente digital torna possível a existência de lojas internacionais, sendo que o método tradicional se focava em produtos físicos locais. Assim, uma solução como o IARC não podia ser feita apenas por um país demandava uma parceria entre organismos de classificação de várias regiões. 
Como funcionará o sistema?
No momento de lançar um aplicativo, o desenvolvedor fará a classificação do seu produto, na plataforma do IARC, diretamente na primeira loja que escolher para comercializar seu jogo e ou aplicativo. Será gerada uma classificação para cada região participante do IARC. Tais classificações ficarão armazenadas no banco de dados do sistema. Ao registrar o aplicativo em outra loja, em qualquer lugar do mundo, a classificação já estará pronta no banco de dados e será simplesmente copiada, sem necessidade de se repetir o processo. Cada classificação é específica de sua região. Assim, as lojas no Brasil irão copiar e exibir apenas a classificação brasileira, nos moldes do Ministério da Justiça.

sábado, 19 de outubro de 2013

Guia Mídia-Educação de qualidade - Resenha

Good Media Literacy: Mídia-Educação de qualidade
Diretrizes da política nacional 2013-2016
Ministério da Educação e Cultura, Finlândia, 2013
Por Ilana Eleá
Pesquisadora e Doutora em Educação
O Ministério de Educação e Cultura da Finlândia acabou de divulgar as orientações governamentais para a promoção da Mídia-Educação para o triênio 2013-2016. Uma das prioridades da política pública é fortalecer o espaço da Mídia-Educação nos currículos escolares. Inclusão social, cidadania ativa, pensamento crítico, criatividade e auto-expressão são palavras chaves da proposta. De acordo com o governo, o letramento para a mídia e o desenvolvimento de competências tecnológicas passam a compor o corpo da prática escolar, alargando, neste sentido, o conceito de letramento como requisito para participação e inclusão na sociedade.
O documento Mídia-Educação de qualidade: diretrizes da política nacional 2013-2016 traz logo na primeira frase a provocação: Mídia-Educação (Media Literacy) é o letramento de hoje. O texto reforça que todos nós precisamos de habilidades mídia-educativas em nossos diferentes papeis na sociedade, como cidadãos, consumidores, trabalhadores e estudantes.
As diretrizes foram construídas a partir dos princípios levantados pela Convenção sobre os Direitos das Crianças e são apresentadas na introdução do texto. Importante lembrar que a Convenção destaca o entendimento de que crianças e adolescentes são sujeitos ativos. Essa atividade também se manifesta na relação que crianças e adolescentes estabelecem e nutrem com as mídias: eles usam mídia para jogar, para se dedicar aos seus hobbies, experimentar e vivenciar diversas emoções, aprender algo novo e participar em diferentes comunidades.
O projeto do governo pretende assegurar que cada criança e adolescente tenha/aprenda pré-requisitos para o acesso e participação na sociedade da informação. Competências mídias-educativas são vistas como elementos importantes para participação e inclusão na sociedade. A interação entre gerações é entendida como vital. Adultos possuem papel-chave na promoção qualificada do letramento para a mídia entre crianças e adolescentes.
O documento pretende ser útil para representantes do governo, sociedade civil, setores de mídia, enfim para todos que estão engajados no trabalho prático da Mídia-Educação. Segundo o governo finlandês, é necessário integrar diferentes setores da sociedade, incitar colaborações entre seus diferentes atores. Tanto os envolvidos com o sistema educacional e escolar, com o setor cultural juvenil, com agências de bem-estar social e setores de saúde, quanto os representantes de consumidores e do setor de mídia são incitados a participar do debate e da tomada de decisões em torno do tema. Fica claro o entendimento de que o campo de Mídia-Educação tem se expandido na Finlândia. O foco hoje não recai apenas na Educação Infantil, no Ensino Fundamental, Médio ou Superior, mas também no dia a dia das bibliotecas e das áreas que representam o setor cultural e juvenil.
O segundo capítulo do documento enfatiza o valor da Convenção sobre os Direitos da Criança para a Mídia-Educação. Segundo o texto, os seguintes princípios da Convenção são especialmente relevantes para a Mídia-Educação: 1 – Os interesses das crianças devem ser levados em considerados prioritários nas decisões públicas; 2 – Crianças têm o direito de participar e expressar seus pontos de vista de acordo com sua idade e maturidade; 3 – A criança tem o direito de crescer e se desenvolver no seu ritmo individual; 4 – Crianças precisam ser tratadas com equidade. As orientações também reiteram que as crianças têm o direito de: receber informação, produzir informação e se expressar, se familiarizar com a vida cultural e artística e receber proteção.
No terceiro capítulo, o texto aborda o estado atual da Mídia-Educação na Finlândia. É possível ter uma noção geral do que as autoridades públicas, ONGs, escolas, universidades, institutos independentes e fundações têm feito para promover a Mídia-Educação no país. É interessante notar a relevância positiva da inclusão de iniciativas mídias-educativas nas bibliotecas do país.
Em relação à política educacional, o documento destaca a reforma na Educação Básica, iniciada em 2012, que ao renovar o currículo das escolas, ainda em curso, estabelece a Mídia-Educação como competência transversal a ser desenvolvida nas salas de aula. O letramento midiático é entendido como parte de uma concepção estendida de leitura e escrita, letramento que deve ser construído ao longo dos anos da Educação Básica. O texto informa ainda que, de acordo com o Conselho Nacional de Educação, será criado um centro nacional de excelência para a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em ambientes digitais de aprendizagem.
De fato, o contexto promovido pelo país, no âmbito das ações de Mídia-Educação, é animador. O documento destaca o lançamento de editais para financiamento de projetos que envolvam a temática. Lembra que o  tema integra ações de políticas públicas para a juventude e projetos nacionais, como o Lukuinto (the Joy of Reading), coordenado pela Universidade de Oulu (2012-2015), que incorporam novas práticas de leitura trazidas pelas novas tecnologias em suas abordagens.
Reforça que há uma série de organizações e ONGs ativas que também trabalham com o tema. Podemos destacar: Mannerheim League for Child WelfareCenter for School ClubsSave the Children FinlandThe Finnish Parents LeagueKoulukino – School Cinema Association. Ao mesmo tempo em que o setor de mídia também tem se envolvido: empresas públicas e privadas oferecem plataformas online para instituições educacionais, conteúdo para jogos educativos, provem material educacional para suporte didático, fazem parcerias com escolas. Em relação ao campo da pesquisa, pode-se dizer que das 10 universidades que oferecem cursos em cultura, arte e pedagogia, oito estão envolvidas com pesquisas relacionadas à Mídia-Educação. A Universidade de Lapland e a Universidade de Tampere têm sido especialmente ativas nesse intento. O texto revisita, ainda, as iniciativas adotadas pela União Europeia e reforça o papel da Unesco.
O capítulo 4 aborda tendências e desafios para a Mídia-Educação. Por um lado é sabido que a mídia tem sido parte fundamental da infância e juventude na Finlândia. Crianças são envolvidas em atividades sociais que incluem leitura, escrita, audiência, gravação e jogos utilizando mídias desde muito cedo, em uma relação que parece começar aos três anos de idade. Por outro, a presença na internet também inclui desafios como a publicidade incorporada em conteúdos voltados para o público infantil, cyberbullying, pornografia e representações sociais que precisam ser analisadas criticamente.
Na visão do Ministério da Educação Finlandês, a Mídia-Educação deve primar por princípios que defendam a equidade e pluralismo e propiciar oportunidades para que professores, educadores e adultos se tornem mais e mais letrados em mídia. Iniciativas sistemáticas em longo prazo, transparência, cooperação e incentivo a pesquisa são fundamentais.
Um grupo de especialistas foi nomeado para monitorar e avaliar as ações do Ministério para a promoção de uma Mídia-Educação de qualidade entre 2013 e 2016, sendo designado para atualizar, em 2017, as demandas e necessidades do país na construção de uma sociedade cada vez mais letrada em mídia. As diretrizes definem metas e ações centradas em quatro pontos: mídia-educação no cotidiano focada em crianças e adolescentes; estruturas sustentáveis; parcerias e redes; e envolvimento  do país em atividades globais. No apêndice, o leitor poderá encontrar como tais metas serão convertidas em ações, assim como verificar as agências e atores sociais pensados para serem os executores das mesmas.
Nos dias 8 e 9 de maio de 2014, será realizada em Tampere, Finlândia, The International Conference on Media Education Futures. A chamada de trabalhos está aberta. Os interessados têm até o dia 30 de novembro de 2013 para enviar suas propostas. Mais informações no site: http://www.uta.fi/cmt/mediaeducationfutures/index.html

David Fonseca - "Someone That Cannot Love"

Conheça a cronologia da mídia na França

O site  da Indústria Nacional Audiovisual da França - INA oferece a cronologia dos meios na França. Da Imprensa à TV, Telefone, Cinema, Audiências, Técnicas da prensa e primeiros jornais desde 1038...tudo pode ser pesquisado a partir desse recurso de Francis Balle, autor do livro Média et Sociétés - Internet, presse, édition, cinéma, radio, télévision, já na 16ª edição, publicado pela editora LGDJ. Francis Balle é professor da Université Paris 2. 

Para ver a cronologia da mídia na França, basta acessar:
http://www.inaglobal.fr/chronologies-medias






Teaching Visual & Media Literacy with Popular Magazines

by Frank W. Baker
For more than a year, I’ve been using popular culture and in-school magazines as part of my media literacy workshops.
We all have magazines at home and at school. They have a high student engagement factor in the classroom and are proving to be a very effective way to teach visual literacy, media literacy, and a host of Common Core standards.
It all started for me when NBA basketball player LeBron James adorned the cover of several magazines, published within weeks or months of each other. Using Google’s image search function, it was easy to locate and download cover images for the activity I planned with a large group of teachers. I created a one-page handout, which you can find here. (I have since revised this activity, using cover images of actress Jennifer Lawrence.) It seems every week, some celebrity is featured on more than one magazine. So this activity can easily be updated.
Here’s the trio I chose:
LeBron-2
Once I selected these three images, I began to consider the kinds of questions I wanted educators (or students) to think about when analyzing and deconstructing the covers.dentsasDetectives
Much has been written recently about students becoming “detectives” (example), and part of this investigative work means knowing what questions to ask. The new Common Core standards emphasize “close reading” analysis, with the emphasis being on student observation (what do you see?) and evidence (what in the text makes you think that?).
Similarly, both media and visual literacy encourage critical inquiry. Visual literacy is also quite evident in CCS-English Language Arts in grades 2-6.
So the questions I posed and posted under the three LeBron covers were:
1. Who is the audience for each magazine? What are the clues?
Every magazine targets a specific group of people. In the ad business, it’s known as demographics. If students are unfamiliar with the exact target audience of a periodical, they can certainly begin to study the types of ads and products contained in the magazine and make some educated guesses. The bits of “teaser” text on the covers also offer clues about the audience editors and publishers are trying to hook.
SI-cover-lebron2. What one or two adjectives would you choose to describe how he looks on the cover?
This is relatively easy for most covers. In the LeBron examples, he looks much more serious (his “game face”) on the Sports Illlustrated cover than he does on either Black Enterprise or Gentleman’s Quarterly. Students can be prompted to explain why they believe each magazine chose the particular “look” they did.
3. Magazine covers are also considered advertisements. What techniques does each of the publications use to sell themselves to their readers?
I’m not sure how many teachers even approach teaching covers as advertisements for a product (the magazine itself), nor how many students ever consider this question. But let’s be honest: magazine covers are ads that, if done well, lure us in. They use specific techniques (layout, color, font size, images and more) to get us to pick them up whether we’re in the checkout line at the grocery store or just browsing at the local Barnes & Noble bookstore.
Covers may even be considered informational texts, with headlines and other details designed to engage the reader. Of course, the ultimate purpose of the cover is to get the consumer to purchase it, so the entire cover might also be considered a persuasive text. A good follow-up question here might be: what on the cover makes you want to buy it?
BEnt-LeBron-round4. Notice LeBron’s non-verbal facial expressions; what do they say/reveal to you?
Imagine you’re the photographer responsible for taking the shot that’s going to grace the cover of each of these magazines. How will you position the subject and what expression do you want him to convey to the reader? Since students rarely study expression (outside of drama or public speaking), this is another opportunity for the teacher to call attention to the importance of expression in communication. How different is his smile or the cast of his eyes on the fashion cover and the business cover, for example?
5. If you could read only one of these publications, which would it be and why? In other words, which is most appealing?
Ok, here’s five dollars. Which magazine are you going to purchase and why? What do you hope to gain by reading the magazine you chose? Why did you choose one over the others? What demographic are you a part of?

ExtendingtheActivity

Here’s one additional critical thinking activity I would like to suggest. Pose this question to students: Who benefits from your purchase of a magazine? Students should brainstorm, creating a long list of people and companies that benefit from magazine purchases. Obviously, many people, beyond the advertisers themselves and the store, benefit. (For example, does the National Basketball Association benefit from Sports Illustrated?)
Students might also consider Media Literacy Core Concept #1 – “All media messages are constructed,” followed by the key questions: “How was this created? Who made this message?”( in this case the magazine).
Graphic design understanding comes into play here, as each publication employs artists and designers to use techniques sure to appeal to the reader. Students will also have to dive deep into a magazine to determine what company is responsible for creating the magazine. The largest companies, like Conde Nast, publish magazines for widely varied demographic/interest groups. (The remaining media literacy concepts and questions should also be used here.)SomeFinalThoughts
Mag-cover-templateNow that many magazines have migrated online and onto tablets and e-readers, students should also consider how reading from a screen differs from print, and how the producers of those magazines have altered the traditional magazine-cover design and added interactive, multimedia elements. (Online participation allows publishers to collect a vast amount of data about user interests, unthinkable before the internet.)
After students have analyzed magazines, you might give them opportunities to create their own magazine cover. Just Googling the phrase “create your own magazine cover” brings up a host of websites available for you to consider using with your students.
Using magazines to teach Common Core standards is another way of reaching your students, especially those considered “at risk.” When you introduce a cover featuring someone they instantly recognize (e.g. singer, movie star, celebrity, sports figure) your students are more likely to be engaged and want to tell you what they know about the subject. So, you’ll be opening the door to meeting them where they are.
Frank W. Baker is a media literacy education consultant and the author of three books, including Media Literacy In the K-12 Classroom (ISTE, 2012). He contributed two chapters to the upcoming Mastering Media Literacy (Solution Tree, December 2013). Baker maintains the Media Literacy Clearinghouse website and conducts media literacy workshops at conferences, schools and districts across the United States. (Twitter @fbaker)   Fonte: http://www.middleweb.com/9884/magazines-media-literacy/

Mme Vassiliou demande de mettre davantage l’accent sur l’éducation aux médias

Il faut faire davantage pour encourager l'«éducation aux médias» chez les enfants, selon Mme Androulla Vassiliou, commissaire européenne à l’éducation, à la culture, au multilinguisme et à la jeunesse. Tel sera le principal message qu'elle adressera lors de sa visite à «Cinekid», le plus grand festival médias pour les enfants, à Amsterdam, le 21 octobre. L’éducation aux médias, qui est la capacité à comprendre et à évaluer les différents types de médias et de communication, notamment les médias interactifs, les journaux, les films et les images, est une compétence fondamentale dans l'économie actuelle fondée sur la connaissance. La commissaire Vassiliou sera accompagnée au festival Cinekid par Jet Bussemaker, le ministre néerlandais de l’éducation, de la culture et des sciences.

Le festival sera aussi l’occasion, pour la commissaire, d’attirer l’attention sur le nouveau programme de financement «Europe créative», qui sera lancé en janvier. Ce programme, d'une durée de sept ans, soutiendra le développement et la distribution de films et d'autres œuvres audiovisuelles européens, ainsi que des projets transnationaux visant à stimuler l’emploi et la croissance dans les secteurs de la culture et de la création. Ces secteurs représentent actuellement près de 4,5 % du PIB de l’UE et emploient plus de 8 millions de personnes.
«À condition de bénéficier d'un soutien adéquat, les secteurs de la culture et de la création peuvent engranger davantage encore de succès. L’une de nos priorités sera de contribuer à financer la production et la distribution de films destinés aux enfants. Nous soutiendrons aussi des projets de qualité en matière d'éducation aux médias et de culture cinématographique. Les médias audiovisuels interactifs qui font partie de la vie quotidienne des enfants, tels que les jeux vidéo éducatifs, seront inclus dans notre politique de soutien», a déclaré MmeVassiliou.
Le financement par le programme Europe créative sera destiné à des initiatives apportant une incontestable valeur ajoutée européenne et ne fera pas double emploi, ni ne remplacera des financements nationaux. Il permettra, par exemple, à des professionnels de la culture et à des PME d'accéder à de nouveaux marchés, de promouvoir la diversité culturelle et de surmonter les difficultés liées à la mondialisation et à la fragmentation du marché.
Il est prévu de doter le programme Europe créative d’un budget total de 1,46 milliard €1 pour la période 2014-2020, ce qui représenterait une hausse de 9 % par rapport aux niveaux de financement actuels. Le Parlement européen et les États membres devraient finaliser le budget le mois prochain.
Le programme est ouvert à 37 pays européens (28 États membres ainsi que l’Albanie, la Bosnie-Herzégovine, l’Islande, le Liechtenstein, l’ancienne République yougoslave de Macédoine, le Monténégro, la Norvège, la Serbie et la Turquie). Les organisations travaillant au niveau transnational seront invitées à présenter des demandes de financement qui seront évaluées en fonction de critères précis spécifiés dans les appels à propositions publiés ici. Il n’y a pas de quotas de financement prédéfinis pour les pays: les demandes de financement sont évaluées par des experts indépendants pour assurer que seules les meilleures seront sélectionnées aux fins d’un financement.
Pour en savoir plus: