segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Como iniciar práticas educomunicadoras na escola?

Do Centro de Referências em Educação Integral

Uma educação comprometida com a formação integral do indivíduo deve dar conta de todas as dimensões do desenvolvimento humano e estabelecer-se como processo ao longo da vida. Nesse sentido, o repensar das práticas de ensino e aprendizagem e o reconhecimento de seus potenciais agentes, tempos e espaços torna-se fundamental para oportunizar outras possibilidades educativas, para além daquelas compartimentadas pelos tradicionais currículos escolares.

Nesse contexto, a educação é cada vez mais tensionada a estabelecer diálogo com outras áreas do conhecimento, em arranjos mais abertos, criativos, participativos e que buscam, sobretudo, não hierarquizar a distribuição do saber, possível a qualquer pessoa dado o seu reconhecimento enquanto produtor de cultura. Essa é a defesa da educomunicação, conceito que vem dando pistas de como o uso dos meios, linguagens e instrumentos de comunicação podem estar presentes no espaço escolar, garantindo não só o direito universal à comunicação, mas também outras possibilidades de aprendizagem.

Unindo fontes acadêmicas e práticas de diferentes experiências, o Centro de Referências em Educação Integral procurou elucidar possíveis caminhos para o início das práticas educomunicadoras em instituições de ensino. A trilha foi construída com o apoio do professor do curso de licenciatura em Educomunicação da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), Marciel Consani.


O que é uma prática educomunicadora?
Para o pesquisador, é fundamental que haja, de início, um esclarecimento sobre o que diferencia a educomunicação de outras linhas de abordagem semelhantes. A explicação parte do século 20, especialmente da década de 80 em diante, quando se iniciou a preocupação de colocar as tecnologias, e depois as mídias, dentro da escola como suporte a projetos pedagógicos existentes. O chamado uso instrumentalizador da tecnologia e das mídias era utilizado no seguinte contexto: partia-se de um projeto educacional, aparentemente perfeito em suas metas e pressupostos, mas repleto de dificuldades de aceitação por parte dos alunos, ou distante de refletir o que a sociedade representava, configurando a escola como uma ilha isolada dos fenômenos da modernidade, especialmente da mídia. “A ideia era a de integrar as tecnologias a um projeto pedagógico predefinido”, atesta Consani.

A educomunicação, por sua vez, se apresenta como solução para os problemas de ordem comunicativa, pelos seus pressupostos considerarem que são estes os nutridores dos impasses de ordem pedagógica ou mesmo políticos. Os problemas de comunicação permeiam as relações entre os alunos, dos alunos com os professores e demais instâncias da escola, e dela mesma com seu entorno, com a sociedade, comunidade e famílias. Esse entendimento parte das teorias de comunicação pós-modernas, pós-estruturalistas, que vão além das teorias das recepções dos meios de comunicação, e sugerem a mediação. A ideia é que a comunicação independe dos meios uma vez que, o que está em jogo, são as mediações que ali atuam. Partindo disso, a educomunicação coloca dois questionamentos fundamentais: onde a comunicação pode ser melhorada na escola? E de que forma?

O papel dos gestores
Para a gestão, é essencial partir de um diagnóstico preliminar que indique problemas de natureza comunicativa. E não se trata de estabelecer fluxos informativos, mas de estabelecer diálogo, prerrogativa básica para o método que tem no seu corpus doutrinário a obra de Paulo Freire. “A nosso ver, não existe comunicação sem diálogo”, afirma o pesquisador.

Todo projeto educomunicativo, em essência, visa ampliar o diálogo na escola. Na prática isso significa possibilitar participação de pessoas anteriormente excluídas, transformar diálogos unilaterais em bilaterais, estabelecer canais de comunicação para que as pessoas consigam se manifestar, expressar sua voz, “e edificar o que chamamos de ecossistema comunicativo“, coloca.

Em primeira instância é preciso definir a natureza e a prioridade dos problemas de comunicação que têm que ser resolvidos. Em um segundo momento, é a hora de descobrir suas vocações, ou seja, estabelecer os canais de comunicação com os quais irá trabalhar. O educador exemplifica: “há escolas de educação infantil que não conseguem trabalhar com texto escrito ou uma tecnologia sofisticada como câmeras e editores de vídeo devido a fase de desenvolvimento das crianças. Veja que, nesse caso, a oralidade tem mais peso do que a comunicação verbal. E, assim, esses cenários precisam ser considerados”.

Entra em cena o professor mediador
Nesse momento é que deve figurar o professor mediador (educomunicador), responsável por estabelecer relações entre a criança/estudante e o currículo, e também entre a gestão, as diretrizes curriculares e o plano de aula a ser executado. Isso não significa apenas fazer o meio de campo entre o repertório cultural, o conhecimento institucionalizado e a criança. “Ele tem que ensinar e aprender a se comunicar, se comunicando”, garante Consani.

Para tanto, como primeira atitude, espera-se que o professor considere o conhecimento prévio da criança, o universo cultural que está nela, em seu entorno, na comunidade que ela vive para que haja uma abertura para a negociação desse contexto com seu próprio repertório individual e, depois, com aquilo que representa, no caso, a escola, por meio de seu currículo. “Em outras palavras, não adianta nada despejar um monte de conceitos prontos que não fazem sentido, que não estejam contextualizados ou não dialoguem com o universo daquele aluno, e classificar isso como educativo. A educação se faz por uma espécie de reconhecimento dentro de um repertório cultural”, explicita o pesquisador.

Ao que complementa: “então, mesmo quem não assiste a novela na Globo, sabe o que acontece. É preciso criar essa referência cultural compartilhada. A questão não está em tentar purificar essa influência cultural externa, mas em utilizar esses formatos comerciais veiculados pela mídia e promover uma crítica, não a partir de uma visão moralista, mas de uma problematização em que o aluno seja o protagonista. A leitura crítica tem que ser desenvolvida como uma habilidade, uma competência, e não vir pronta.”

Alunos participativos
Segundo o pesquisador, essa demanda é direcionada pelo perfil dos alunos. Ele alega que, ao longo dos estudos realizados pelo Núcleo de Comunicação e Educação da Universidade de São Paulo (NCE) características próprias desse grupo e duas necessidades essenciais ficaram evidentes. Uma delas diz respeito à expressão, à vontade de ter voz, de dizer o que pensa e sente, o que não implica necessariamente em um canal de comunicação mas, sobretudo, no estímulo. Outra é estabelecer uma condição de pertencimento, de encontrar um espaço onde possa ouvir sua música, de produzir e mostrar suas produções.

Em sua análise, o estudante tem como modelo a terceira instância educadora. “A gente fala que a primeira é a escola, a segunda a família e a terceira é a mídia. E a mídia nunca vai ser controlada pela escola. Então, tem que haver essa negociação”, reforça. O modelo de comunicação primário do aluno é o da televisão, do rádio, das emissoras de sinal aberto. Por isso a necessidade de lê-los criticamente, processo que o aluno não inicia sozinho, em sua individualidade. “Isso tem que acontecer dentro da escola, a partir de um trabalho de mediação dos professores”.

Para Consani, quando o professor investe nesse papel de mediador entre a cultura institucionalizada, a mídia, e mostra as conexões existentes, o aluno descobre duas coisas fundamentais: que ele não vive em um mundo à parte e que pertence a uma comunidade e se depara com a questão da expressão, de querer colocar suas dúvidas, sentimentos e opiniões.

O espaço da família/comunidade
Na educomunicação, o conceito de comunidade escolar é entendido como não excludente, o que significa que o entorno do contexto escolar, ou seja, a comunidade e os familiares são considerados no processo de ensino aprendizagem. O pesquisador explica que a prática teve uma mudança de viés ao longo dos anos. No final da década de 90, eram bastante comuns as práticas educomunicadoras em contextos de organizações não governamentais e informais; a mudança, como explica, veio com a entrada do processo no âmbito do poder público, em parceria entre centros de estudo e redes de ensino, em contextos formais.

Nessa mudança histórica houve a necessidade de se reconhecer alguns conceitos, já presentes no repertório de escolas de educação mais avançada, libertária, como o da comunidade escolar. Não há comunidade escolar sem o envolvimento da família. “Ela permite que a produção do aluno seja compartilhada para fora do espaço escolar, e isso é mais uma estratégia de mostrar para a família o que ele faz e despertar o interesse para as ações educativas”.

Além disso, espera-se que a família possa se envolver ativamente nos processos de pesquisa sobre os quais os temas trabalhados demandam. Toda temática deve ser investigada e problematizada. E, embora a internet, seja um meio facilitador, não é o fim do trabalho pedagógico, e sim o começo. “O principal é a criança saber reconhecer os possíveis desdobramentos de pesquisa no entorno que ela transita, e a família pode e deve participar disso para se construir uma educação significativa, com interação na vida concreta”, afirma Consani.

A educomunicação a favor da educação integral
A meta de construir a cidadania, a partir do pressuposto básico do exercício do direito de todos à expressão e à comunicação, foi entendida como política pública nacional, além de nortear diversas práticas educativas pelo país.

No que tange a agenda pública, a educomunicação conseguiu figurar entre os macrocampos do programa Mais Educação, iniciativa do governo federal para diversificar e qualificar as oportunidades de aprendizagem nos ambientes escolares. A proposta é que as escolas possam fazer uso dos recursos midiáticos – rádio, jornal, fotografia, vídeo, histórias em quadrinhos – para promover o desenvolvimento de projetos educativos dentro dos espaços escolares, com a construção de propostas engajando os alunos em ações de colaboração para a melhoria das relações entre as pessoas, além de projetos de aprendizagem por meio da reflexão crítica e da possibilidade de intervenção na própria escola e na comunidade.

O cenário abre bons precedentes para a educação integral, a começar pelos próprios ambientes de aprendizagem. Deslocado para o papel de mediador de conhecimento, e não detentor, o professor pode se aproximar de seus alunos e, juntos, construírem percursos educativos mais colaborativos e significativos. Essa configuração que se dá com base em trabalho em equipe, debates e pesquisa possibilita situações mais democráticas e participativas.

O acesso a outras linguagens também é visto numa perspectiva integradora, como parte estrutural de um processo que promove a formação de cidadãos participativos política e socialmente, capazes de interagir na sociedade da informação na condição de emissores e não apenas consumidores de mensagens, o que garante o direito à comunicação.

Ainda assim, há considerações a serem colocadas, como elenca Marciel Consani. “A ideia do Mais Educação de aproveitar ao máximo o tempo escolar como um tempo educativo e não ficar preso a uma aula magna, expositiva, dá abertura para que se trabalhe com estratégias de diálogo com a mídia, com a cultura popular e outros campos como as artes”.

Por outro lado, a educomunicação se faz como um elemento que promove a transdisciplinaridade e a transversalidade dentro das áreas de conhecimento. E, portanto, os temas dentro dos macrocampos estão estruturados a partir de estratégias de “fazeres”, como fazer um vídeo, uma fotografia, uma história em quadrinhos. “Cada um deles traz uma linguagem, um repertório específico que precisa ser contextualizado, por não ser inerente à linguagem”, observa Consani.

A partir disso, o educador questiona as formas de se trabalhar prevendo o estabelecimento de significado na aprendizagem. “Como se trabalha com isso? Você vai apenas decupar as histórias, ou tentar entender o que as narrativas querem transmitir? Isso é pouco do ponto de vista educomunicativo?”. Consani reitera que, na parte prática, o que se espera é que a criança crie suas próprias narrativas, que até podem partir de um modelo, mas que tenha autonomia para romper tais amarras e se arriscar em criações livres.

“Veja que, em um determinado momento, essa história pode ser dramatizada, virar um vídeo, um tema pra redação com variações do enredo. É possível transportar a ideia e praticar o esforço de dialogar com a cultura em uma espécie de ciranda das mídias”, afirma. A seu ver, a educomunicação não se atém a uma ou outra mídia específica, pelo contrário. É uma abordagem que funciona em qualquer mídia e na interface entre várias delas. Então, o foco não está no fazer em si. Em suma, na educomunicação, a chave é entender que o fazer é um pretexto para a autorreflexão da criança frente ao seu repertório cultural.


*Fazem parte do Redação na Rua os sites Catraca Livre, Centro de Referências em Educação Integral, Guia de Empregos, Portal Aprendiz, Porvir e VilaMundo.

Fonte: http://porvir.org/porfazer/como-iniciar-praticas-educomunicadoras-na-escola/20150227

Nenhum comentário:

Postar um comentário